sicnot

Perfil

Perdidos e Achados

A tortura, os informadores e a missão da PIDE no Ultramar

Exclusivo Online

A tortura, os informadores e a missão da PIDE no Ultramar

Em entrevista à SIC, Sousa e Castro recorda a missão "adicional" da Polícia Internacional e de Defesa do Estado português no Ultramar. Revela também a dificuldade que teve, enquanto coordenador da Comissão de Extinção da PIDE, em identificar os milhares de informadores do Estado Novo. Sousa e Castro lembra ainda que os presos políticos eram tratados de forma diferente entre si.

Sousa e Castro integra a Comissão Coordenadora do Movimento dos Capitães um ano antes da Revolução de Abril. O Capitão de Abril participa na organização da operação militar que põe fim a 48 anos de regime ditatorial.

Em entrevista à SIC, Sousa e Castro recorda o papel e a importância da Polícia Internacional e de Defesa do Estado português, a propósito da fuga da prisão de Vale de Judeus de 89 antigos agentes da PIDE/DGS, no dia 29 de junho de 1975.

Sousa e Castro coordenou a Comissão de Extinção da PIDE durante os 7 anos a seguir à fuga.

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    O Ministério Público espanhol pediu ao tribunal supremo para voltar a emitir um mandado europeu de detenção contra o ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que se deslocou à Dinamarca para participar numa conferência. O Supremo rejeitou no entanto o pedido. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".