Grande Reportagem SIC

Onde foi parar o dinheiro do empresário Francisco Fonseca?

5.ª feira no Jornal da Noite

Onde foi parar o dinheiro do empresário Francisco Fonseca?

Francisco Fonseca, 77 anos, empresário. Ao longo da vida foi investindo e acumulando. Depositou no Banque Privée Espírito Santo, na Suíça a maior parcela dessa poupança. Um milhão e 700 mil euros. O dinheiro saiu da Suíça para a conta à ordem na sucursal do banco, no Porto. Mas perdeu-se pelo caminho. Onde terá ido parar? É esse o mistério que a SIC tenta desvendar. Veja a história de Francisco Fonseca - primeira rampa de lançamento da Grande Reportagem "Saco Azul", que a SIC emite na próxima quinta feira.


"Saco Azul", a quarta Grande Reportagem associada ao universo BES, dá um passo em direção ao mundo Espírito Santo Enterprises, a entidade que Ricardo Salgado terá usado para tentar administradores e diretores do GES e do BES, empresários e políticos. Através da história de Francisco Fonseca, um empresário do Porto, aproximamo-nos daquela que pode ter sido a forma usada para financiar um saco sem fundo que terá alimentado o poder e a influência de uma marca que não sobreviveu, depois de 145 anos de história.

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16