sicnot

Perfil

Sociedade das Nações

A transição democrática na Tunísia

A Tunísia, primeiro país da chamada "primavera árabe", encerrou em dezembro, com as primeiras presidenciais livres, o ciclo de transição política iniciado com a revolução de 2011 que depôs Zine el Abidine Ben Ali, que estava no poder há 23 anos. O país enfrenta importantes problemas de segurança, quer pela instabilidade na vizinha Líbia quer pela forte presença de extremistas no seu território, tendo sofrido um ataque terrorista contra um dos principais museus da capital em março deste ano, no qual morreram mais de duas dezenas de pessoas, entre as quais vários turistas.

© Zoubeir Souissi / Reuters

A Tunísia, um dos países mais laicos da sua região, tem o desafio de resolver as divergências entre os setores laicos e islamitas, que prevalece. Apesar de persistirem problemas como conflitos sociais, o surgimento  de violência atribuída a grupos 'jihadistas', o aumento do desemprego e a quebra no crescimento económico, o país tem dado sinais de estabilidade, nomeadamente com a aprovação de uma constituição que consagra a igualdade entre homens e mulheres e a liberdade religiosa, rejeitando o Islão como fonte do Direito. 

O primeiro-ministro da Tunísia, Habib Essid, é o convidado do Sociedade das Nações. Nesta entrevista, o chefe do executivo tunisino faz o balanço dos primeiros meses no governo do país. 

Habib Essid explica ainda porque razão a Tunísia está contra a decisão europeia de destruir as embarcações que transportam migrantes para a Europa através do Mediterrâneo.A medida, tomada pelos ministros da Defesa e dos Negócios Estrangeiros da União Europiea, insere-se no combate ao tráfico de pessoas no Mediterrâneo, onde, desde o início de 2015, quase 2000 migrantes morreram ou desapareceram.
  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.