sicnot

Perfil

Sociedade das Nações

Entrevista a Fernando Pinto

No dia 24 de junho, foi assinado o contrato de compra e venda de 61% do capital da TAP entre membros do Governo e responsáveis do consórcio Gateway, de David Neeleman e Humberto Pedrosa, vencedor da privatização da companhia aérea. O Governo decidiu, em junho, que a proposta do consórcio Gateway era a melhor no que respeita à contribuição para o reforço da capacidade económico-financeira do grupo TAP, ao projeto estratégico e ao valor global apresentado para a aquisição de ações, critérios de avaliação previstos no caderno de encargos.

Esta semana, no Sociedade das Nações, o presidente da TAP analisa os anos que tem passado à frente da companhia aérea. Fernando Pinto assumiu a presidência da companhia aérea em 2000 e garante que estes 15 anos representam o maior desafio profissional da sua vida.

Concluído o processo de privatizarão, que depende ainda da autorização dos reguladores, Fernando Pinto discute o futuro da empresa e os principais desafios do mercado atual. A tarifa média da TAP caiu entre 8 e 10% em 2014, na sequência do aumento da concorrência low cost e da queda da procura.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.