sicnot

Perfil

Sociedade das Nações

Perseguição religiosa no Paquistão

A seguir ao Budismo e ao Islamismo, o Cristianismo é uma das grandes religiões da Ásia, incluindo em países com população numerosa, como as Filipinas, a Indonésia ou até a Coreia do Sul. Mas o Paquistão e a Índia são casos diferentes. Séculos depois da presença portuguesa, os católicos são uma pequena minoria, com cerca de 3.8% de fiéis nos dois países.

© Mani Rana / Reuters

Esta semana, no Sociedade das Nações, o arcebispo Joseph Coutts, patriarca católico de Carachi, analisa os principais problemas que as minorias religiosas enfrentam no Paquistão. O quotidiano, a política e a sociedade, os Talibãs e as leis sobre a blasfémia são os principais temas em destaque nesta entrevista.

A tradição tolerante e de estado de direito do Paquistão tem sido subvertida, nas últimas décadas, por correntes de intolerância, sobretudo com a ascensão do Jihadismo. A minoria cristã no Paquistão tem sido alvo de vários ataques. Em março, dois atentados bombistas contra igrejas cristãs na cidade de Lahore provocaram 14 mortos e 70 feridos.

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".