sicnot

Perfil

Sociedade das Nações

Quem chamou a troika?

No dia 13 de maio de 2011 o ministro de Estado e das Finanças e o governador do Banco de Portugal enviavam aos responsáveis pela Comissão Europeia, Eurogrupo, Ecofin e Banco Central Europeu, com cópia para o presidente do FMI, uma carta de intenções. Nela se pedia, a troca de profundas reformas do estado e da sociedade, um plano de auxílio financeiro para o país.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Quatro dias depois, assinava-se em Lisboa uma série de memorandos com o trio de financiadores, que condicionariam profundamente a vida portuguesa. Foi o começo da presença da chamada troika em Portugal. O Programa de Assistência Económica e Financeira terminou em maio de 2014, mas os acontecimentos de maio de 2011 foram um dos principais temas da campanha para as eleições legislativas.

Eduardo Catroga, o economista indicado pelo PSD para acompanhar, em 2011, as negociações do governo socialista com a troika é o convidado do Sociedade das Nações desta semana. O antigo ministro das finanças recorda o seu envolvimento neste processo.

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.