sicnot

Perfil

Sociedade das Nações

Perseguição religiosa e o futuro do Cristianismo

A fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) divulgou recentemente um relatório que denuncia a "limpeza étnico religiosa" contra os cristãos no Médio Oriente e em algumas regiões de África. O documento, que analisa a situação em 22 países entre 2013 e 2015, conclui que os cristãos não só continuam a ser os mais oprimidos e violentados, como estão a ser obrigados a abandonar zonas onde sempre viveram.

sta semana no Sociedade das Nações, D. George Jonathan Dodo, bispo Católico de Zaria, na Nigéria, numa zona de fronteira entre muçulmanos e cristãos, e a irmã Annie Demerjian, de Alepo, na Síria, discutem a sobrevivência da Igreja no Médio Oriente e em África. De acordo com o relatório, a situação dos cristãos tem vindo a agravar-se e o número de países onde os cristãos sofrem de "perseguição extrema" aumentou de seis para dez, desde 2013.

A Nigéria, o Sudão, o Iraque e a Síria juntam-se agora à lista de piores infratores, que já existia, e da qual constam a China, a Eritreia, a Coreia do Norte, o Paquistão, a Arábia Saudita e Vietname. O documento conclui ainda que o medo do genocídio, por parte do autodenominado Estado Islâmico e de outros grupos radicais, desencadeou um êxodo de cristãos sem precedentes do Médio Oriente, mas também de dioceses inteiras em África.

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15