sicnot

Perfil

Sociedade das Nações

"A Europa subestima a Rússia"

O Presidente da Bulgária considera que "a Europa tem subestimado a Rússia" e que Moscovo está a mudar o jogo geopolítico. Em entrevista no programa Sociedade das Nações, Rosen Plevneliev explica ainda que "a anexação da Crimeia foi planeada há vários anos".

© Stoyan Nenov / Reuters

Rosen Plevneliev, que defende uma resposta europeia unida e coesa à atual crise dos refugiados, explica que a Bulgária tem sido o único país que regista todos os refugiados e que tem trabalhado para manter as fronteiras externas da UE seguras. O convidado do Sociedade das Nações critica o facto de alguns estados terem reativado temporariamente os controlos fronteiriços e afirma que "Schengen é o cerne do sonho europeu".

O presidente búlgaro esteve esta semana esta semana em Lisboa, numa visita de Estado de dois dias a convite do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva. A Bulgária é um dos países da União Europeia (UE) na rota terrestre seguida por milhares de refugiados provenientes da Ásia e Médio Oriente, fluxo que aumenta consideravelmente com o inverno, altura em que as condições no Mediterrâneo dificultam ainda mais a arriscada travessia.

  • Um homem de 83 anos é a 42.ª vítima dos incêndios
    1:27

    País

    Subiu para 42 o número de vítimas mortais nos incêndios deste domingo. Um homem de 83 anos foi encontrado sem vida em Lugar de Covelo, em Vouzela. O número de feridos mantém-se, 14 estão em estado grave. A maior parte das mortes aconteceu no distrito de Coimbra (20) e Viseu (19). Segundo a Proteção Civil, já não há desaparecidos. Sete pessoas estavam dadas como desaparecidas e apenas uma foi encontrada sem vida. Um bebé de poucos meses tinha sido dado como morto, mas foi encontrado com vida.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08