sicnot

Perfil

Sandbox

A Dieta Mediterrânica

O sociólogo Jorge Queiroz foi o responsável técnico pela candidatura transnacional da Dieta Mediterrânica a Património Cultural Imaterial da Humanidade da UNESCO. É autor do livro “Dieta Mediterrânica, uma herança milenar para a humanidade”. Dirige atualmente o Museu Municipal de Tavira. Escreve sobre a Dieta Mediterrânica para a Grande Reportagem SIC. 


O termo “dieta” deriva do grego díaita, que significa estilo de vida. 

A Dieta Mediterrânica é um conjunto de saberes-fazeres dos povos de cultura mediterrânica resultante de vivências comunitárias ancestrais, de conhecimentos empíricos e evolução tecnológica, processos de agricultura e pescas, produção e confeção de alimentos, sociabilidades e convivialidades, tradições orais, simbologias e rituais de celebração. 

A mesa é o lugar central para o convívio e transmissão de conhecimentos entre gerações. 

A Dieta Mediterrânica acompanha os ciclos astrais, equinócios e solstícios, os trabalhos agrários, as festividades cíclicas, com alimentos e pratos característicos para cada época do ano. 

Está intimamente ligada à agricultura de proximidade, à protecção da biodiversidade, representando culturas de partilha e entre ajuda, o que induz também níveis mais baixos de stress.  

A Dieta Mediterrânica é um modelo cultural que integra um padrão alimentar de grande riqueza e variedade nutricional, reconhecido como de excelência pela Organização Mundial de Saúde.

A história recente do seu reconhecimento mundial teve origem nas investigações promovidas na década de 50 do século XX por uma equipa internacional dirigida pelo fisiólogo norte-americano Ancel Keys, sobretudo pelo impacto do estudo “Seven Countries – a Multivariate Analysis of Death and Coronary Heart Disease” , no qual se apresentaram conclusões da amostra de um inquérito realizado a mais de doze mil indivíduos adultos da Grécia, Itália, Jugoslávia, Japão, Dinamarca, Holanda, Finlândia e Estados Unidos da América.

Os resultados revelaram acentuada diferença na incidência de doenças cardiovasculares e coronárias, bem como na longevidade das populações, indicadores estes favoráveis aos países mediterrânicos comparativamente com as regiões mais ricas e desenvolvidas do norte da Europa, EUA e Japão. 

O consumo excessivo de gorduras animais, a baixa ingestão de vegetais e fibras e o sedentarismo provocam alterações nos níveis de colesterol e a progressão, até hoje, de uma verdadeira epidemia de “doenças da civilização”: doenças cardiovasculares, diabetes, obesidade, vários tipos de cancro e outras “doenças não-transmissíveis” que, no seu conjunto, são a primeira causa de morte a nível mundial. 

De acordo com a FAO – Organização das Nações Unidas para Alimentação e a Agricultura – 70% das doenças no ser humano têm atualmente origem na alimentação, sobretudo pelo consumo excessivo de produtos de origem animal e de produção industrial e pelas “doenças que viajam”, distribuindo patogénicos.

A Dieta Mediterrânica caracteriza-se pela frugalidade e simplicidade, pelo consumo de alimentos frescos, de acordo com a época do ano e produzidos, de preferência, localmente. 

O vinho, em especial o vinho tinto, que tem propriedades antioxidantes, é aconselhado às refeições, com moderação. Ao longo do dia devem ingerir-se água e infusões.

No conjunto de países associados à Dieta Mediterrânica, Portugal destaca-se pelo elevado consumo de peixe, apresentando o 3º consumo per capita mundial, e pela riquíssima gastronomia, com muitas variantes regionais, que acompanham as estações do ano com produtos sazonais: os caldos, ensopados e sopas de legumes no inverno. As saladas, gaspachos e pratos frescos no verão. 

A inscrição da Dieta Mediterrânica na Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade da UNESCO ocorreu a 4 de Dezembro de 2013 na 8ª Conferencia Intergovernamental realizada em Baku no Azerbaijão. 

Integra sete Estados e respectivas comunidades representativas. 

Além de Portugal/Tavira, inclui também a Croácia/Hvar e Brac, Chipre/Agros, Espanha/Sória, Grécia/Koroni, Itália/Cilento e Marrocos/Chefchaouen.

Tavira é a comunidade representativa da Dieta Mediterrânica em Portugal. A cidade foi escolhida pela sua história milenar, testemunhada nas estruturas arqueológicas resultantes da presença de civilizações mediterrânicas – fenícia, romana e árabe – pelo seu “hinterland” relativamente preservado, pela diversidade de paisagens – como o ecossistema da Ria Formosa, o “barrocal” e a serra – pela riqueza da pesca (de atum, bivalves, polvo, entre outros) e pela abundância de produtos da terra inseridos no padrão alimentar mediterrânico, como é o caso do figo, da amêndoa, da alfarroba, dos primores, dos citrinos, do mel, da vinha, do azeite e do pão serrano.




  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.