Cultura

"Tabacaria" de Pessoa numa caixa de madeira é apresentada hoje

Editora Guerra e Paz

Uma nova edição do poema "Tabacaria", de Álvaro de Campos, um dos heterónimos de Fernando Pessoa, publicada agora numa caixa de madeira, com 25 fotografias inéditas de Pedro Norton, é apresentada hoje, na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa.

"Foram feitos apenas 1.500 exemplares, todos numerados, e este livro de 176 páginas, não voltará a ser reimpresso, tratando-se de uma edição rara", num formato de grande dimensão, 24 centímetros de largura por 33 de altura, disse à Lusa fonte da Guerra e Paz, que chancela a obra.

A apresentação, às 18:30 na Casa Fernando Pessoa, é feita pelos jornalistas Henrique Monteiro e Joana Emídio Marques, numa sessão que conta com a presença de gestor e consultor Pedro Norton, que é fotógrafo amador, do editor Manuel S. Fonseca, da Guerra e Paz, e de "Fernando Pessoa ou Álvaro de Campos, mas apenas um deles, por incompatibilidade de feitios, vai estar presente", lê-se num comunicado da editora.

"A caixa em que a obra de Fernando Pessoa fica agora depositada é de madeira de álamo ou choupo (populus alba), revestida de uma orla em madeira de 'maple' (aceraceae), duas faces da madeira, capa e contracapa, têm impressão direta UV e a lombada da caixa foi impressa a laser 50W, com acabamento final com proteção de verniz mate", explicou à agência Lusa fonte da editora.

Num dos seus poemas, Álvaro de Campos escreveu: "Sentindo húmida da noite a madeira onde agarro,/Debruço-me para o infinito e, um pouco, para mim", este foi o mote para a nova edição de "Tabacaria", um poema escrito em 15 de janeiro de 1928, pelo "engenheiro naval" Álvaro de Campos, publicado na revista Presença, em julho de 1933.

Com "Tabacaria", é editado um álbum com 25 fotografias inéditas da Baixa de Lisboa, de Pedro Norton, dois volumes que "vêm presos numa meia caixa de choupo, seccionada transversalmente".

"Em 25 fotografias a preto e branco, Pedro Norton oferece-nos um espelho no qual podemos ver o rosto de Pessoa e o rosto dessa Tabacaria que ele, com a máscara de Álvaro de Campos, escreveu, resignado e vencido", disse à Lusa fonte da Guerra e Paz, realçando: "Esta é a Tabacaria de Álvaro de Campos, vista finalmente da janela da mansarda a que Fernando Pessoa a escreveu. E Pessoa explica como foi da solidão e silêncio que nasceram os versos do poema e como o dominava uma histeria interior que logo, no seu comportamento exterior, se convertia em neurastenia".

O livro inclui "os 37 textos que Pessoa autorizou a juntar à sua 'Tabacaria', agora publicada em português e em traduções para inglês, francês, espanhol e italiano. Drama, jogo e um certo teatro da identidade constituem a matéria deste livro que a alma poliglota de Pessoa escreveu em português, inglês e francês, e que o editor, Manuel S. Fonseca comenta, texto a texto", adiantou a mesma fonte.

A caixa-livro é obra de uma empresa portuguesa, de Proença-a-Nova, a Ambienti d'Interni, que produziu este ano as caixas das medalhas dos atletas, para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

"É um livro, mas é um livro que nos traz um som diferente. Como num verso disse Álvaro de Campos: 'O ruído do ranger da madeira é dentro da alma...'", realçou o editor Manuel S. Fonseca, acrescentando, "nunca a 'Tabacaria' de Álvaro de Campos e Fernando Pessoa tinha tido uma música assim".

Lusa