Cultura

Boss AC edita EP "Patrão" seis anos depois do álbum "AC para os amigos"

Boss AC edita este mês o EP "Patrão", com a participação dos Black Company e de DJ Ride, no que é o primeiro registo discográfico do rapper desde o álbum "AC para os amigos", de 2012.

"'Não estou de volta porque nem cheguei a bazar' é a frase com que Boss AC descreve o seu novo EP, 'Patrão', editado seis anos depois do álbum 'AC para os amigos' e que aponta luzes para o novo álbum que será lançado posteriormente", refere a editora Universal num comunicado hoje divulgado.

"Patrão", que é editado a 27 de abril, conta com a participação dos "irmãos e companheiros de estrada de longa data" Black Company, do "supertalentoso" DJ Ride e tem como música de apresentação "Queque Foi".

O EP é, de acordo com a editora, "o cartão de visita do próximo álbum de estúdio [de Boss AC] e o título não é, obviamente, um acaso".

O novo álbum, ainda sem data de edição, "segue um conceito, ligado às ideias de 'ontem, hoje e amanhã'".

Segundo a Universal, "Ontem" porque na criação do novo trabalho Boss AC "tem-se inspirado no seu primeiro álbum, 'Mandachuva' [de 1998] e quer homenagear as origens do hip-hop e todos aqueles que o inspiraram a ser MC [Mestre de Cerimónias] ".

"'Hoje' porque continua a fazer uma música atual e bastante relevante nos nossos dias, sem perder a sua essência e 'Amanhã' porque tem sempre 'os olhos postos no futuro'", refere a editora.

O primeiro registo discográfico de Boss AC, que é também produtor, data de 1994. Nesse ano, o músico integrou "Rapública", uma coletânea de artistas portugueses de rap.

Depois do disco de estreia, "Manda Chuva", editou "Rimar contra a maré", em 2002, "Ritmo, Amor e Palavras", em 2005, e "Preto no Branco", em 2009.Ao quinto álbum de originais, mostrou uma visão mais vasta do hip-hop.

Em "AC para os amigos", estão rimas e batidas de sempre e um "lado acústico muito mais presente", descreveu à Lusa em 2012.

Boss AC sempre incorporou "vários elementos" na música que criou e tem "vindo a acentuar essa melomania, o gostar de músicas de várias tendências", fazendo "hip-hop que gravita à volta de outras sonoridades, de várias outras influências".

O músico é autor de temas como "Hip-hop (sou eu e és tu)", "Baza, baza (hoje não quero saber)", "Lena (a culpa não é tua", "Tu és mais forte" ou "Sexta-feira (emprego bom já)".Ao longo da carreira colaborou com artistas e bandas como Da Weasel, Gabriel o Pensador, Rui Veloso, Shout e Mariza.

Lusa

  • José Peseiro garante que leões estão "preparados para vencer"
    1:52

    Liga Europa

    José Peseiro garante que a equipa do Sporting está preparada o arranque da competição. A equipa leonina não conta com Bas Dost que está lesionado e falha os próximos jogos. Os leões estreiam-se hoje na Liga Europa, em casa, com o Qarabag do Azerbaijão. A SIC transmite o encontro em directo a partir das 20:00.

  • Gosta de atum? Procuram-se voluntários
    1:35
  • Suspeito de agredir bebé terá dito à polícia que perdeu a cabeça ao ouvir o choro
    2:18

    País

    O homem terá confessado à PSP e mais tarde também ao Ministério Público que perdeu a cabeça perante o choro permanente do bebé de 17 meses, filho da atual companheira. Apesar de ter confessado a agressão saiu em liberdade depois de ser ouvido em tribunal. Não chegou sequer a ser interrogado por um juiz de instrução criminal e apesar da gravidade dos factos, o Ministério Público não viu razões para aplicar qualquer medida de coação.

  • Novos e-mails põem em causa valores da saída de Garay do Benfica
    2:44

    Desporto

    O pirata informático suspeito de ter desviado centenas de e-mails do Benfica revelou mais material, alegadamente comprometedor. Segundo uma mensagem alegadamente trocada entre Luís Filipe Vieira e Paulo Gonçalves, publicada esta quarta-feira na internet, o negócio da venda de Garay poderá ter sido feito por 13 milhões de euros e não por 6, como foi anunciado.