Desporto

Subcomissário da PSP realça "violência digna de estudo" dos adeptos do Vitória de Guimarães

(Arquivo)

HUGO DELGADO

O subcomissário da PSP Filipe Silva afirmou esta segunda-feira que o apoio dos adeptos do Vitória de Guimarães ao clube "é digno de um estudo académico", sublinhando que eles são "mais violentos quando a situação descamba para a violência".

"É atípica e notória a ligação quase religiosa dos adeptos ao clube, ao estádio e à cidade", referiu.

Filipe Silva falava no Tribunal de Guimarães, no início do julgamento em que é arguido por agressões à bastonada e ao murro a dois adeptos do Benfica, no final de um jogo de futebol disputado, em 2015, no Estádio D. Afonso Henriques.

O arguido sublinhou que já fez policiamentos em vários estádios do país, incluindo Lisboa e Porto, mas "nada se assemelha" ao que acontece em Guimarães.

"Os adeptos [do Vitória] são muito mais aguerridos e muito mais barristas do que noutros estádios, o que faz com que sejam mais violentos quando descamba para a violência", referiu.

Filipe Silva tentava, desta forma, explicar as dificuldades acrescidas do policiamento no estádio do Vitória Sport Clube.No processo que hoje está a ser julgado, o subcomissário responde por dois crimes de ofensa à integridade física qualificada.

Responde ainda por dois crimes de falsificação de documento e dois crimes de denegação de justiça e prevaricação, por alegadamente ter feito constar dados falsos no auto de notícia que elaborou.

Os factos remontam a 17 de maio de 2015, logo após o final do jogo entre o Vitória Sport Club e o Sport Lisboa e Benfica, no exterior do Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

Lusa

  • Papa Francisco - entre a vulnerabilidade de um abalo e a oportunidade de uma reforma

    Papa e a tensão na Igreja

    Não é o tempo cronológico que define Francisco, mas o tempo da oportunidade, sem necessariamente sintonizar a ação com o tempo mediático. Esta circunstância pode dar um bom enquadramento de leitura para o «escândalo» dos abusos sexuais por parte de clérigos católicos. Mas o impacto mediático gerado pelo relatório da Pensilvânia e pela carta de um arcebispo a pedir a resignação do Papa, com a visita à Irlanda como pano de fundo, acabou por criar também uma oportunidade. Os próximos meses são por isso fulcrais para atenuar os danos e reconstruir laços de confiança nas instituições. Não há folga para oportunidades desperdiçadas. A pressão é elevada. A dimensão mediática não terá sido devidamente valorizada. Francisco ficou mais exposto às críticas e aos críticos.

    Joaquim Franco

  • Piloto que morreu no Estoril terá ficado sem travões
    1:17
  • Empresa de segurança sob suspeita na Guarda
    4:47
  • O embaraço do príncipe Harry
    0:29