Desporto

Kimi Raikkonen diz que decisão de sair da Ferrari não partiu de si

Yong Teck Lim

O piloto finlandês de Fórmula 1 Kimi Raikkonen disse hoje que a decisão não partiu de si no que toca à saída da Ferrari, anunciada pela escuderia italiana no início da semana.

"Foi o que aconteceu. Não dependeu de mim, não foi a minha decisão. (...) Este é o resultado, e pelo menos temos um", atirou, na conferência de imprensa de antevisão do Grande Prémio de Singapura, no domingo.

O finlandês, o último campeão do mundo na Ferrari, em 2007, não viu o seu contrato renovado para 2019 e já foi anunciada, entretanto, a contratação do monegasco Charles Leclerc, de 20 anos, à Sauber.

É precisamente à antiga equipa de Leclerc que Raikkonen vai voltar, depois de ter começado a carreira na F1 na mesma escuderia, em 2001.

Sobre o contrato de dois anos, o piloto, terceiro no Mundial, 'atirou-se' aos jornalistas por "tornarem as decisões complicadas" com perguntas, manifestando vontade de correr enquanto "sentir que é certo" continuar.

Já o alemão Sebastien Vettel, colega de equipa na Ferrari, destacou o "respeito entre pilotos como o mais importante" no momento da equipa.

"Obviamente, é uma grande oportunidade para o Charles, mas é triste saber que o Kimi não vai lá estar mais, porque sempre nos demos muito bem, mesmo sendo pessoas diferentes", explicou.

Lusa

  • A "pena maior" de Constantino Oliveira
    26:03
  • CNN vs. Donald Trump
    1:50