Desporto

Portugal perde com Ucrânia na Taça Davis e joga com África do Sul permanência no Grupo I

Jason Reed

A seleção portuguesa de ténis perdeu frente à Ucrânia a oportunidade de garantir na primeira eliminatória do 'play off' a permanência no Grupo I da Zona Europa/África da Taça Davis, ao ceder hoje dois dos três pontos em disputa.

Depois do empate (1-1) registado na sexta-feira no Campa Tennis Club, nos arredores de Kiev, Portugal precisava de vencer dois dos três encontros previstos para hoje, mas acabou por ceder em pares e no terceiro encontro de singulares, permitindo a vitória da Ucrânia na eliminatória.
João Sousa e Gastão Elias defrontaram Sergiy Stakhovsky e Denys Molchanov (77.º no 'ranking' mundial de pares) e, após cederem o primeiro 'set', ainda levaram a decisão do encontro ao terceiro parcial, mas não conseguiram evitar a derrota, pelos parciais de 6-4, 3-6 e 7-6 (7-5), em duas horas e sete minutos.
Já em desvantagem na eliminatória (2-1), o número um nacional e 49.º ATP voltou ao 'court' para medir forças com Stakhovsky (142.º), com quem havia perdido este ano na primeira ronda de Wimbedon, no terceiro encontro de singulares para tentar manter viva a esperança da seleção nacional alcançar a manutenção no Grupo I da Zona Europa África.
À semelhança do sucedido na véspera, mas contra Illya Marchenko, o vimaranense voltou a não entrar bem, e, embora tenha levado o encontro a terceiro 'set', não foi capaz de ultrapassar a experiência de Stakhovsky, que acabou por selar a vitória da Ucrânia, pelos parciais de 6-2, 4-6 e 6-4.
Atendendo ao resultado de 3-1 na eliminatória favorável à Ucrânia, os capitães de equipa, o português Nuno Marques e o ucraniano Andrei Medvedev, acordaram em cancelar o último encontro de singulares, que seria disputado por Pedro Sousa e Illya Marchenko, uma vez que serviria apenas para cumprir calendário.
Apesar do resultado desfavorável de hoje, Portugal poderá ainda alcançar a permanência no Grupo I na segunda ronda do 'play off' frente à África do Sul, num encontro que terá lugar em outubro em território nacional.

Lusa

  • Taxistas em protesto por tempo indeterminado
    1:59

    País

    Os taxistas que esta quarta-feira manifestaram-se em Lisboa, no Porto e em Faro decidiram continuar com o protesto por tempo indeterminado. No entender das associações dos profissionais, a luta só vai acabar quando conseguirem travar a lei que regula as plataformas digitais como a Uber ou a Cabify.

  • Novos e-mails põem em causa valores da saída de Garay do Benfica
    2:44

    Desporto

    O pirata informático suspeito de ter desviado centenas de e-mails do Benfica revelou mais material, alegadamente comprometedor. Segundo uma mensagem alegadamente trocada entre Luís Filipe Vieira e Paulo Gonçalves, publicada esta quarta-feira na internet, o negócio da venda de Garay poderá ter sido feito por 13 milhões de euros e não por 6, como foi anunciado.

  • Saiba como escolher o melhor Plano Poupança Reforma
    8:32
  • Este pode ser um natal de sonho para os fãs de Harry Potter

    Mundo

    Os estúdios da Warner Brothers, em Londres, vão abrir as portas na época natalícia. Entre os dias 10 e 12 de dezembro o grande salão de Hogwarts servirá de cenário para um jantar que promete transportar os fãs de Harry Potter até ao imaginário de J.K. Rowling. Os bilhetes estão disponíveis a partir da próxima semana.

  • A imagem que está a emocionar a Índia

    Mundo

    A fotografia de um menino a despedir-se do pai, que morreu durante um acidente de trabalho, está a emocionar a Índia. Tanto que, num só dia, os internautas conseguiram angariar mais de três milhões de rupias (cerca de 36 mil euros) para ajudar a família.

    SIC

  • "Eu chupo e você?", a campanha contra as palhinhas que já dão multas no Brasil
    2:36

    Mundo

    A partir de hoje, o Rio de Janeiro vai multar até 340 euros todos os comerciantes que ofereçam palhinhas de plástico aos clientes. Em caso de reincidência, as multas podem ultrapassar os 1200 euros. Isto meses depois de ter sido lançada no país a campanha #paredechupar para eliminar os “canudos de plástico” que podem demorar mais de 400 anos a degradar-se. Só na União Europeia, são usadas 36,4 mil milhões de palhinhas todos os anos. Em todo o mundo, os números devem chegar aos mil milhões por dia.