Desporto

Cinco adeptos morreram em Luanda após jogo da Liga dos Campeões africanos

Cinco pessoas morreram e sete ficaram feridas, sem gravidade, após o jogo de sábado entre o 1.º de Agosto (Angola) e o TP Mazembe (RDCongo), em Luanda, indicou este domingo um comunicado oficial.

No documento, o Ministério da Juventude e Desportos angolano refere que o "fatídico incidente" ocorreu após o jogo (0-0), da Liga dos Campeões Africanos, quando os adeptos abandonavam o recinto à pressa, criando "desorientação" já fora da zona de vedação do Estádio 11 de Novembro.

Adiantando que vai abrir um inquérito para averiguar as circunstâncias do incidente, o Ministério da Juventude e Desportos angolano salienta que entre as vítimas mortais estão duas crianças de 10 e 12 anos e que três dos mortos pertencem à mesma família.

As sete pessoas feridas já tiveram alta, acrescenta-se na nota de imprensa do Governo angolano, que "lamenta" as mortes.

O Estádio 11 de Novembro, em Luanda, registou sábado uma enchente, lotando quase a capacidade de 50 mil espetadores.

Por seu lado, o 1.º de Agosto, tricampeão angolano, indicou hoje de manhã que, após o jogo de sábado, ocorrera um incidente no perímetro exterior do Estádio 11 de Novembro, com a morte de "alguns cidadãos", adiantando que os "órgãos competentes" deram início a uma investigação e que seriam, depois, divulgados mais pormenores.

Segundo avançou hoje a agência noticiosa angolana ANGOP, antes do início do jogo, que começou às 17:00 locais (mesma hora em Portugal), a polícia local deteve pelo menos oito adeptos que entraram dentro do campo e começaram a sacudir as redes de uma das balizas, o que levou à intervenção policial e à detenção.

Os bombeiros destacados para o local para informaram da queda de um espetador, aparentemente embriagado, do segundo para o primeiro anel do estádio e que foi transportado para o hospital, embora sem correr perigo de vida.

Lusa

  • Taxistas em protesto por tempo indeterminado
    1:59

    País

    Os taxistas que esta quarta-feira manifestaram-se em Lisboa, no Porto e em Faro decidiram continuar com o protesto por tempo indeterminado. No entender das associações dos profissionais, a luta só vai acabar quando conseguirem travar a lei que regula as plataformas digitais como a Uber ou a Cabify.

  • Novos e-mails põem em causa valores da saída de Garay do Benfica
    2:44

    Desporto

    O pirata informático suspeito de ter desviado centenas de e-mails do Benfica revelou mais material, alegadamente comprometedor. Segundo uma mensagem alegadamente trocada entre Luís Filipe Vieira e Paulo Gonçalves, publicada esta quarta-feira na internet, o negócio da venda de Garay poderá ter sido feito por 13 milhões de euros e não por 6, como foi anunciado.

  • Saiba como escolher o melhor Plano Poupança Reforma
    8:32
  • Este pode ser um natal de sonho para os fãs de Harry Potter

    Mundo

    Os estúdios da Warner Brothers, em Londres, vão abrir as portas na época natalícia. Entre os dias 10 e 12 de dezembro o grande salão de Hogwarts servirá de cenário para um jantar que promete transportar os fãs de Harry Potter até ao imaginário de J.K. Rowling. Os bilhetes estão disponíveis a partir da próxima semana.

  • A imagem que está a emocionar a Índia

    Mundo

    A fotografia de um menino a despedir-se do pai, que morreu durante um acidente de trabalho, está a emocionar a Índia. Tanto que, num só dia, os internautas conseguiram angariar mais de três milhões de rupias (cerca de 36 mil euros) para ajudar a família.

    SIC

  • "Eu chupo e você?", a campanha contra as palhinhas que já dão multas no Brasil
    2:36

    Mundo

    A partir de hoje, o Rio de Janeiro vai multar até 340 euros todos os comerciantes que ofereçam palhinhas de plástico aos clientes. Em caso de reincidência, as multas podem ultrapassar os 1200 euros. Isto meses depois de ter sido lançada no país a campanha #paredechupar para eliminar os “canudos de plástico” que podem demorar mais de 400 anos a degradar-se. Só na União Europeia, são usadas 36,4 mil milhões de palhinhas todos os anos. Em todo o mundo, os números devem chegar aos mil milhões por dia.