Desporto

Funcionário do Sporting que fazia a ligação com as claques ficou em prisão preventiva

Funcionário do Sporting que fazia a ligação com as claques ficou em prisão preventiva

Ficou em prisão preventiva o funcionário do Sporting que fazia ligação com as claques. Bruno Jacinto foi ontem interrogado durante mais de três horas, no Tribunal do Barreiro, depois de ter sido detido por envolvimento no ataque à Academia do clube, em Alcochete.

  • "Houve alguma falta de cuidado em proteger" jogadores do Sporting
    1:40

    Desporto

    Bruno Jacinto ficou esta quarta-feira em prisão preventiva depois de ter sido ouvido no Tribunal do Barreiro, no âmbito do ataque à Academia do Sporting, em Alcochete. Ao ex-oficial de ligação aos adeptos no Sporting foi aplicada a mesma medida de coação que já tinha sido decidida para outros 36 arguidos também indiciados por vários crimes, entre os quais terrorismo e ofensa à integridade física. À saída do tribunal, o advogado Paulo Camoesas não comentou a eventual implicação de Bruno de Carvalho ou André Geraldes mas acusou o clube de Alvalade de não ter tomado medidas para proteger os jogadores.

  • PSP divulga fotos dos fugitivos do Tribunal do Porto e reforça dispositivo para capturar os três suspeitos
    1:16
  • "Acabámos com 6 jogadores da formação na equipa"
    1:27

    Desporto

    No final do jogo, João Manuel Pinto, treinador do Sertanense, mostrou-se orgulhoso com o trabalho da equipa, que joga no terceiro escalão do futebol português. Já Rui Vitória preferiu destacar a qualidade dos jogadores do Benfica que, apesar de serem menos utilizados neste inicio de época, estiveram em evidência.

  • Espanha em alerta até domingo, tempestade já se faz sentir em regiões próximas do Mediterrâneo
    1:34
  • Trump admite que Khashoggi pode estar morto
    2:50
  • "Pedro Proença quer que eu saia a todo o custo"
    3:00
  • Sextortion, o novo método de chantagem sexual na Internet
    2:17
  • Destruído mural de Vhils em Alcântara

    Cultura

    O mural, criado por Vhils, na parede da antiga fabrica da Sidul na Avenida da Índias, em Lisboa, foi esta quinta-feira destruído para dar lugar a um empreendimento urbanístico.