Economia

Governo trava concessões rodoviárias que ainda não foram a concurso público

O Governo vai deixar cair todas as concessões rodoviárias que ainda não foram a concurso público. O ministro das Obras Públicas confirmou esta segunda-feira que as novas auto-estradas do Ribatejo, Vouga, Serra da Estrela, Tejo Internacional e Alto Alentejo vão ficar pelo caminho.

Ministro das Obras Públicas, António Mendonça

Ministro das Obras Públicas, António Mendonça

Ministro das Obras Públicas, António Mendonça

Ministro das Obras Públicas, António Mendonça

As novas concessões rodoviárias e auto-estradas estavam anunciadas, fazem parte do Programa de Governo e constam do Orçamento de Estado.



Mas o ministro das Obras Públicas diz que chegou a hora de redefinir projectos.



António Mendonça confirmou assim o que o ministro das Finanças já tinha dito quando afirmou que "não há dinheiro para mais estradas" .



Com esta decisão do Executivo já não vão ser construídas as auto-estradas da concessão Ribatejo com ligações da zona Santarém a Abrantes e Ponte de Sôr.



No Baixo Vouga, a ligação de Santa Maria da Feira a Vale de Cambra, Arouca e Penafiel também cai.



O concurso para as ligações de Viseu à Covilhã pelo sul da Serra da Estrela e de Tábua à Covilhã, bem como a de Fornos de Algodres serão igualmente abandonadas.



O segundo Governo Sócrates abandona ainda a concessão do Tejo Internacional que ligaria Alcains a Idanha-a-Nova e às Termas de Monfortinho.



A concessão do Alto Alentejo, entre Estremoz e a barragem do Fratel, também está em risco. Ainda não foi colocada a concurso.



De acordo com o ministro das Obras Públicas, dos planos do Governo salvam-se as auto-estradas do Centro porque já têm concurso público a decorrer.



O Governo promete ainda avançar com todas as concessões que tiveram parecer negativo do Tribunal de Contas.