Economia

Benefícios fiscais ultrapassaram os 2.400 milhões em 2016

O Fisco concedeu em 2016 isenções e benefícios fiscais a 35 mil empresas e entidades num total de 2.400 milhões de euros, mais 600 milhões do que em 2015.

As isenções e benefícios dizem respeito a vários impostos como o IRC, o IMT ou o IVA, que estão previstas na lei e todos os anos são pedidas por milhares de entidades, desde empresas privadas, a autarquias, passando pelas misericórdias e pelas fundações.

Na prática são impostos que as Finanças abdicam com uma contrapartida, por exemplo, reduzir o IRC às empresas que criam postos de trabalho.

Segundo o jornal Público, só no caso do IMI, a subida foi de 700 milhões de euros, sobretudo por causa das isenções atribuídas a património do Estado.

  • Diretor artístico demite-se do Museu de Serralves
    2:44

    Cultura

    Estão ainda por esclarecer as razões da demissão do diretor artístico do Museu de Serralves. João Ribas apresentou a demissão esta sexta-feira, um dia depois da inauguração da exposição do fotógrafo Robert Mapplethorp. A demissão foi associada a restrições a algumas imagens de cariz sexual explícito. Mas a Fundação de Serralves garante que foi o próprio João Ribas quem decidiu retirar duas obras da exposição. E sublinha que estava decidido desde o início apresentar as obras de cariz sexual explícito numa zona com acesso restrito.

  • Relação do Porto mantém em liberdade dois homens que violaram mulher inconsciente
    1:27

    País

    Há mais uma polémica em torno de uma decisão do tribunal da Relação do Porto. Chamada a reavaliar uma decisão da 1.ª Instância, a Relação entendeu que devia manter em liberdade dois homens que, em 2016, violaram uma mulher quando ela estava inconsciente. Os juízes dizem que a culpa dos dois homens é "mediana" e que a "ilicitude não é elevada".

  • Personalidades do futebol dizem que Ronaldo foi vítima de excesso de zelo
    2:03

    Desporto

    A UEFA vai anunciar o castigo de Cristiano Ronaldo na próxima quinta-feira, depois do cartão vermelho que o internacional português recebeu no jogo da Liga dos Campeões. O castigo pode ir de um a três jogos de suspensão. Várias personalidades do mundo do futebol acreditam que o jogador foi vítima do excesso de zelo do árbitro.