Economia

PS quer reforçar poderes do Banco de Portugal e evitar novos BPN, BES ou Banif

PS quer reforçar poderes do Banco de Portugal e evitar novos BPN, BES ou Banif

O PS quer reforçar os poderes do Banco de Portugal e melhorar a regulação financeira para evitar casos como os do BPN, BES ou Banif. O deputado João Galamba apresentou esta manhã no Parlamento 11 projetos de lei que o partido quer implementar até ao início do próximo ano.

João Galamba sublinhou que o partido quis fazer "propostas que não só respondam aos desafios encontrados nas comissões parlamentares de inquérito" sobre o setor bancário, "mas que também sejam compatíveis com a legislação", nomeadamente a europeia.

"O PS procurou ouvir toda a gente, fazer uma auscultação aos chamados 'stake holders' (envolvidos) neste setor, porque entendemos que é uma área muito complexa", prosseguiu João Galamba, deputado na Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública (COFMA) e também porta-voz do PS.

Nesta fase o parlamento aguarda a entrada da proposta do Governo de Orçamento do Estado (OE) para 2018, e posteriormente o texto será debatido nas semanas seguintes na COFMA, mas Galamba asseverou que no período seguinte dar-se-á o debate das propostas do PS e de outros partidos para o setor bancário.

No começo de 2018, e "dependendo da velocidade do processo legislativo", vincou o deputado, podem entrar em vigor as propostas aprovadas no parlamento.

A proposta referente ao BdP passa por dar poderes ao banco central para este proceder ao encerramento de filiais em países não pertencentes à União Europeia "sempre que não estejam asseguradas as condições necessárias que permitam a supervisão" pelo BdP.

Num outro projeto, os socialistas pedem o reforço da regulação à concessão de crédito por parte de instituições a titulares de participações qualificadas, querendo também o PS uma maior regulação sobre "os deveres de informação contratual e periódica a prestar aos investidores em instrumentos financeiros".

Ofertas particulares de valores mobiliários e a organização interna dos intermediários financeiros são também matérias abordadas pelo PS, que pretende ainda acentuar a regulação da remuneração dos trabalhadores das instituições financeiras que vendam produtos agressivamente e "com total inadequação ao perfil do cliente", ganhando posteriormente bónus pelas vendas.

Em sede parlamentar, sintetiza o PS, referindo-se às várias comissões de inquérito sobre a banca nos últimos anos, constatou-se a "fragilidade do edifício legal no âmbito da regulação e supervisão do setor bancário e da atividade de intermediação financeira", o que motivou o conjunto de propostas agora apresentado.

Com Lusa

  • José Peseiro garante que leões estão "preparados para vencer"
    1:52

    Liga Europa

    José Peseiro garante que a equipa do Sporting está preparada o arranque da competição. A equipa leonina não conta com Bas Dost que está lesionado e falha os próximos jogos. Os leões estreiam-se hoje na Liga Europa, em casa, com o Qarabag do Azerbaijão. A SIC transmite o encontro em directo a partir das 20:00.

  • Gosta de atum? Procuram-se voluntários
    1:35
  • Suspeito de agredir bebé terá dito à polícia que perdeu a cabeça ao ouvir o choro
    2:18

    País

    O homem terá confessado à PSP e mais tarde também ao Ministério Público que perdeu a cabeça perante o choro permanente do bebé de 17 meses, filho da atual companheira. Apesar de ter confessado a agressão saiu em liberdade depois de ser ouvido em tribunal. Não chegou sequer a ser interrogado por um juiz de instrução criminal e apesar da gravidade dos factos, o Ministério Público não viu razões para aplicar qualquer medida de coação.

  • Novos e-mails põem em causa valores da saída de Garay do Benfica
    2:44

    Desporto

    O pirata informático suspeito de ter desviado centenas de e-mails do Benfica revelou mais material, alegadamente comprometedor. Segundo uma mensagem alegadamente trocada entre Luís Filipe Vieira e Paulo Gonçalves, publicada esta quarta-feira na internet, o negócio da venda de Garay poderá ter sido feito por 13 milhões de euros e não por 6, como foi anunciado.