Economia

Gastos na rede Multibanco subiram 10% na época natalícia

Os levantamentos e os pagamentos de compras nos terminais Multibanco totalizaram cerca de 7,6 mil milhões de euros entre 27 de novembro e 31 de dezembro, mais 10% do que no mesmo período de 2016, divulgou esta quarta-feira a SIBS.

De acordo com a gestora da rede Multibanco, entre 27 novembro e 31 dezembro de 2017 foram efetuados nas caixas da rede Multibanco 42,7 milhões de levantamentos no valor de 3,1 mil milhões de euros, um montante 6,9% acima do registado no mesmo período de 2016.

Já nos terminais de pagamento da rede Multibanco foram, no mesmo período, pagas 114,5 milhões de compras no valor de 4,5 mil milhões de euros, mais 12,5% face a período homólogo.

Por dia, em média, o valor levantado foi de 72 euros, acima dos 70 euros de 2016. Em compras, o valor gasto em lojas foi de 40 euros, neste caso o mesmo valor do ano anterior.

O dia com mais operações processadas foi 22 de dezembro, mais de 10,5 milhões segundo a SIBS, enquanto 23 de dezembro foi o que registou maior numero de compras, cerca de 5 milhões.

A SIBS refere ainda que no mês de dezembro de 2017 foi batido um recorde mensal com mais de 100 milhões de compras nos terminais de pagamento automático.

Já em toda a rede Multibanco, no mês de dezembro foram processados mais de 250 milhões de operações.

Segundo a SIBS, "os levantamentos e compras dos portugueses na época natalícia têm vindo a aumentar, ano após ano", entre 2012 e 2017.

Por setores, a maioria das compras continuam a ser nos supermercados (25,3% em 2017) e em moda (9,1%), mas em ambos os casos abaixo dos valores de 2016, o que significa que está a haver mais gastos em termos relativos noutras categorias de produtos.

A restauração passou, em 2017, a ocupar o terceiro lugar (7,6%), superando as gasolineiras (7,2%) e a cultura, entretenimento e eletrónica (6,7%).

A gestora da rede Multibanco divulga ainda informações sobre os gastos dos estrangeiros e Portugal e dos portugueses no estrangeiro, mas sem revelar montantes.

Na época natalícia de 2017, os cartões franceses foram os mais usados em Portugal (20,3%), seguidos dos do Reino Unido (15,6%), Espanha (8,5%), Alemanha (6,1%) e Angola (6%).

Os cartões de Angola perderam terreno no ano de 2017, depois de em 2016 terem representado 12% das transações feitas com cartões estrangeiros.

Por tipo de consumo, os estrangeiros gastaram sobretudo dinheiro com alojamento (17,7%) e restauração (16,7%).

Quanto às transações de portugueses no estrangeiro, a SIBS diz que França é o país onde os portugueses efetuam mais transações (17,4%), seguida de Espanha (17,3%) e do Reino Unido (9,1%).

A gestora da rede multibanco compara ainda 2017 com 2012, referindo que no ano passado "os portugueses gastaram 2,6 vezes mais na Bélgica" do que em 2012.

As compras dos portugueses no estrangeiro foram, na época natalícia de 2017, sobretudo em alojamento (15,2%), aparecendo em segundo lugar os supermercados (14,2%), que em anos anteriores vinham depois da moda.

A SIBS divulgou também dados sobre compras através da Internet, ainda que sem dar valores de quanto foi gasto.

Em 2017, as compras 'online' na época natalícia foram sobretudo em viagens e transportes, representando 22,2% do total, mas abaixo dos 25,4% de 2016.

Houve um aumento considerável de comércio 'online' nas categorias de cultura, entretenimento e eletrónica (de uma proporção de 9,2% do total em 2016 para 13,6% em 2017), comércio a retalho não especializado (3,6% para 9,1%) e moda (3,5% para 8%).

Já as compras na categoria lazer desceram de 17% na época natalícia de 2016 para 11,7% na de 2017.

Do conjunto do ano de 2017, foi o mês de novembro aquele que registou o maior número de compras médias diárias 'online', segundo a SIBS, que acrescenta que o dia de maior número de compras através da Internet foi 24 de novembro, na BlackFriday, sexta-feira a seguir à tradição da Ação de Graças nos Estados Unidos que os comerciantes transformaram em evento comercial.

Lusa

  • Polémica na cirurgia do hospital da Guarda
    3:38

    País

    O diretor de cirurgia do Hospital da Guarda está debaixo de fogo por escolher as próteses de um laboratório de que é consultor, no tratamento de hérnias inguinais. O médico Augusto Lourenço justifica a opção, dizendo que por culpa da administração, não há concursos públicos para a aquisição de material cirúrgico.

  • E de nós, quem cuida?
    23:13
  • Pais e irmãos separados há 40 anos nos Açores continuam à procura dos que partiram
    7:07
  • "O dinheiro era dos dois": Maria Leal reage às acusações de Francisco
    9:51
  • Portugueses marcham em Londres contra o Brexit
    2:05
  • Arábia Saudita confirma morte do jornalista, Trump acredita mas resto do mundo pede responsabilidades
    2:02