Economia

Portugal coloca 1.250 M€ em dívida com as taxas de juro mais baixas de sempre

Portugal colocou hoje 1.250 milhões de euros em Obrigações do Tesouro a 10 e 27 anos às taxas de juro de 1,778% e 2,8%, respetivamente, inferiores às dos anteriores leilões comparáveis.

Segundo a página da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) na Bloomberg, a dez anos foram colocados 975 milhões de euros em Obrigações do Tesouro (OT) à taxa de juro de 1,778%, inferior à taxa do anterior leilão comparável, de 2,046%, em 14 de fevereiro.

A procura atingiu 1.661 milhões de euros para as OT a dez anos, 1,70 vezes superior ao montante colocado.

No prazo mais longo, a cerca de 27 anos, Portugal colocou hoje 275 milhões de euros à taxa de juro de 2,8%, inferior à verificada no anterior leilão comparável de 12 de julho do ano passado (3,977%).

Neste prazo, a procura atingiu 771 milhões de euros, 2,80 vezes o montante colocado.

O IGCP tinha anunciado dois leilões de OT com maturidades em 17 de outubro de 2028 e em 15 de fevereiro de 2045, com um montante indicativo global entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros.

No mais recente leilão de OT a 10 anos, em 14 de fevereiro, Portugal colocou 760 milhões de euros à taxa de juro média de 2,046%, superior à taxa do anterior leilão comparável (de 1,939% em 08 de novembro), e a procura atingiu 1.578 milhões de euros.

Em relação ao prazo mais longo, o leilão mais recente ocorreu em 12 de julho do ano passado quando Portugal colocou 315 milhões de euros em OT a 28 anos a uma taxa de juro de 3,977%, inferior à do anterior leilão comparável, (de 4,1% em janeiro de 2015) e a procura cifrou-se em 676 milhões de euros.

Segundo o programa de financiamento de 2018, o IGCP estima arrecadar 15.000 milhões de euros através da emissão bruta de OT mensalmente, combinando operações sindicadas e leilões.

  • Diretor artístico demite-se do Museu de Serralves
    2:44

    Cultura

    Estão ainda por esclarecer as razões da demissão do diretor artístico do Museu de Serralves. João Ribas apresentou a demissão esta sexta-feira, um dia depois da inauguração da exposição do fotógrafo Robert Mapplethorp. A demissão foi associada a restrições a algumas imagens de cariz sexual explícito. Mas a Fundação de Serralves garante que foi o próprio João Ribas quem decidiu retirar duas obras da exposição. E sublinha que estava decidido desde o início apresentar as obras de cariz sexual explícito numa zona com acesso restrito.

  • Personalidades do futebol dizem que Ronaldo foi vítima de excesso de zelo
    2:03

    Desporto

    A UEFA vai anunciar o castigo de Cristiano Ronaldo na próxima quinta-feira, depois do cartão vermelho que o internacional português recebeu no jogo da Liga dos Campeões. O castigo pode ir de um a três jogos de suspensão. Várias personalidades do mundo do futebol acreditam que o jogador foi vítima do excesso de zelo do árbitro.