Economia

Costa descrito pela The Economist como sobrevivente da social-democracia europeia

Armando Franca

A nova edição da revista The Economist destaca os resultados alcançados pelo Governo de António Costa ao fim de dois anos de funções, considerando que a social-democracia está a patinar em toda a Europa, "exceto em Portugal".

No artigo que esta semana dedica a Portugal, cuja versão impressa vai para as bancas no sábado, a The Economist aponta o país como "um pequeno milagre no Atlântico", registando um turismo em acelerado crescimento como resultado da instabilidade internacional e um 'boom' ao nível das 'startups'.

Primeiro, de forma resumida, conta-se como foi o processo de formação do atual Governo minoritário socialista, apoiado no parlamento por "dois partidos da esquerda radical" (uma alusão ao BE e PCP), depois de o PS de António Costa ter perdido as eleições legislativas de 2015 para a coligação de centro-direita (PSD/CDS-PP).

Segundo a revista, com a formação da 'geringonça', os credores temiam que "um Governo esquerdista afastasse os investidores", através da aplicação de uma política económico-financeira "despesista".

"Dois anos depois, porém, a engenhoca, a geringonça, não só não caiu como se está movendo. Foram revertidos os cortes salariais [Notes:do período da 'troika'] , as empresas estão criando empregos em bom ritmo, os investidores estrangeiros procuram oportunidades de negócio e as finanças públicas apresentam indicadores saudáveis" em termos de sustentabilidade, é referido.

Sobre esta evolução de Portugal desde dezembro de 2015, o primeiro-ministro afirma à revista britânica que o seu Governo "mostrou que existe alternativa à ideia de que não há alternativa".

Já no que se refere ao conjunto de partidos que suportam o executivo minoritário socialista, António Costa volta a rejeitar a ideia de "grande coligação ao centro".

Para o primeiro-ministro, os governos tipo Bloco Central, em geral, favorecem as correntes populistas, porque sinalizam aos eleitores que as escolhas entre as forças políticas tradicionais europeias são superficiais em termos de alternativa.

Lusa

  • Papa Francisco - entre a vulnerabilidade de um abalo e a oportunidade de uma reforma

    Papa e a tensão na Igreja

    Não é o tempo cronológico que define Francisco, mas o tempo da oportunidade, sem necessariamente sintonizar a ação com o tempo mediático. Esta circunstância pode dar um bom enquadramento de leitura para o «escândalo» dos abusos sexuais por parte de clérigos católicos. Mas o impacto mediático gerado pelo relatório da Pensilvânia e pela carta de um arcebispo a pedir a resignação do Papa, com a visita à Irlanda como pano de fundo, acabou por criar também uma oportunidade. Os próximos meses são por isso fulcrais para atenuar os danos e reconstruir laços de confiança nas instituições. Não há folga para oportunidades desperdiçadas. A pressão é elevada. A dimensão mediática não terá sido devidamente valorizada. Francisco ficou mais exposto às críticas e aos críticos.

    Joaquim Franco

  • Piloto que morreu no Estoril terá ficado sem travões
    1:17
  • Empresa de segurança sob suspeita na Guarda
    4:47
  • O embaraço do príncipe Harry
    0:29