Economia

Governo volta a reunir-se com camionistas e acredita em acordo

O Governo diz acreditar num acordo com os camionistas, com quem se volta a reunir esta segunda-feira, e acrescenta que, das duas associações do setor, chegou a um acordo de princípio com uma.

Segundo o secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme d'Oliveira Martins, o acordo de princípio com a Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) contempla a criação de uma linha de crédito para os transportadores, "que permite uma antecipação no pagamento das faturas".

O acordo contempla ainda a subida do limiar do gasóleo profissional dos 30 mil para os 35 mil litros, "uma medida que tem sido reivindicada" pela classe, disse o secretário de Estado, no âmbito de uma declaração que fez no Ministério do Planeamento e das Infraestruturas a propósito de uma greve de ferroviários marcada para segunda-feira.A Lusa tentou, sem sucesso, obter declarações da ANTRAM.

Já este domingo o presidente da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP), Márcio Lopes, tinha dito à Lusa que os associados "renunciam" à proposta apresentada pelo Governo, classificando-a como "vaga" e sem "cabimento", não descartando a possibilidade de continuar a luta.

"Os associados, [que estiveram reunidos no sábado], na sua totalidade, renunciaram a proposta do Governo, que não tem cabimento. O que [o executivo] pondera fazer é vago, pois não apresenta medidas concretas para o setor", disse Márcio Lopes, em declarações à Lusa.

"O Governo tem até dia 15 para fazer a sua parte, depois vamos ver", disse.

Em 28 de maio, os camionistas iniciaram uma ação de protesto que incluiu a paralisação da circulação e marchas lentas, que, no entanto, não teve muita adesão.

Nas palavras do secretário de Estado, em conjunto com a ANTRAM e com a ANTP vai ser possível chegar a uma solução. "Acredito que dentro dos constrangimentos orçamentais conseguiremos chegar a uma solução", disse.

Lusa

  • PSD tem a maior queda e vê PS subir nas intenções de voto
    2:22

    País

    O PSD de Rui Rio está pior do que há um ano estava com Pedro Passos Coelho. Na sondagem de novembro, os sociais-democratas caem abaixo dos 27% e veem o PS cada vez mais longe, a 15% de diferença. Mesmo com o caso Tancos, o PS subiu e se as eleições fossem hoje, vencia sem maioria absoluta.

    Sondagem SIC/Expresso

  • Muitos britânicos querem segundo referendo ao Brexit
    2:02