Economia

Bruxelas menos otimista que Governo quanto ao ritmo de crescimento

Pedro Nunes/ Reuters

A Comissão Europeia estima um abrandamento do ritmo de crescimento da economia portuguesa para 2,2% este ano e 1,8% no próximo, abaixo das previsões do Governo, cujas estimativas são respetivamente de 2,3% e 2,2%.

Nas Previsões Económicas de Outono, hoje publicadas em Bruxelas, o executivo comunitário aponta que "a procura interna continua forte, mas o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em Portugal deverá abrandar em 2019 e 2020 face ao enfraquecimento das exportações líquidas", projetando valores abaixo dos 2% nos dois próximos anos.

Para 2018, Bruxelas mantém a previsão de crescimento do PIB português em 2,2%, tal como antecipara nas anteriores previsões de verão (divulgadas em julho), enquanto na sua proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), adotada no mês passado, o Governo manteve a meta de 2,3%.


Mais vincada é a diferença de projeções de Bruxelas e Lisboa para 2019, já que enquanto o OE2019 antecipa um crescimento do PIB de 2,2% (o que já constitui uma ligeira revisão em baixa do Governo face à estimativa do Programa de Estabilidade, apresentado em abril, que apontava para 2,3%), a Comissão antecipa hoje um abrandamento do crescimento da economia portuguesa para os 1,8% no próximo ano, e para os 1,7% em 2020.

O executivo comunitário aponta que no primeiro semestre deste ano o PIB real de Portugal aumentou 2,3%, "sobretudo graças a uma forte procura interna e em linha com as previsões económicas de verão", mas antecipa que o crescimento "vai de certa forma abrandar no segundo semestre do ano, sobretudo devido a uma desaceleração da procura externa".


Bruxelas espera, assim, que o crescimento da economia portuguesa abrande de 2,8% em 2017 para 2,2% este ano.
Para 2019, e enquanto o Governo estima um crescimento real do PIB de 2,2% - "uma ligeira desaceleração face a 2018, em linha com o abrandamento esperado na área do euro (1,9%)", salienta a proposta de OE2019 --, Bruxelas é mais pessimista, antecipando um crescimento de 1,8%, que recuará mesmo para 1,7% em 2020, sobretudo por esperar um enfraquecimento das exportações.


Neste caso, Bruxelas considera, todavia, não haver grandes riscos de uma revisão em baixa, pois "a incerteza nos mercados externos pode ser compensada por um desempenho mais positivo na procura interna".


Relativamente à taxa de desemprego, Bruxelas está em linha com as previsões do Governo para 2019, ao antecipar uma taxa de 6,3%, mas prevê que este ano se fixará nos 1,5%, um pouco acima das perspetivas do executivo socialista (1,3%).


Também a nível da taxa de inflação, a Comissão Europeia diverge um pouco do Governo, esperando que esta "permaneça relativamente baixa em 2018, nos 1,5%", subindo para 1,6% em 2019 e 2020, enquanto as previsões nacionais contemplam uma taxa de 1,3% tanto este ano como no próximo.

Lusa

  • Crescimento na zona euro abranda para 2,1% em 2018
    0:58

    Economia

    A Comissão Europeia está mais pessimista quanto à evolução das economias europeias e prevê que o crescimento na zona euro abrande para os 2,1% este ano e cresça menos de 2% nos anos seguintes. Na conferência de imprensa onde foram apresentadas as Previsões de Outono, Pierre Moscovici alertou para o atual clima de incerteza que pode travar, ainda mais, o crescimento económico.

  • FMI elogia crescimento em Portugal mas deixa avisos
    1:31

    Economia

    O FMI reconhece que Portugal fez muitos progressos e elogia o crescimento da economia e redução do desemprego. Estima, por isso, que o défice fique nos 0,7% em 2018, a mesma meta apresentada pelo Governo. Ainda assim, no relatório divulgado esta quinta-feira, os técnicos avisam que é preciso controlar a despesa do Estado com os salários da Função Pública, numa altura em que está em curso o descongelamento das carreiras.

  • Açores sob aviso laranja até sábado para vento forte e agitação marítima

    País

    O Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores emitiu um alerta para o agravamento do tempo a partir do final do dia, devido a uma depressão a norte do arquipélago. O IPMA colocou os grupos central e ocidental em alerta para o vento forte e agitação marítima enquanto a Autoridade Marítima Nacional apela ao reforço da amarração e vigilância apertada das embarcações atracadas" e " evitar de passeios junto ao mar, em especial nos molhes, e nas praias".

  • Em Portugal surgem cerca de 500 novos casos de cancro do pâncreas todos os anos
    4:18

    País

    Assinala-se hoje o Dia Mundial do Cancro do Pâncreas. Todos os anos surgem, em Portugal, cerca de 500 casos novos de doentes com cancro do pâncreas, uma das doenças mais letais, com uma taxa de sobrevivência que não ultrapassa muito os 10 por cento. Ana Raimundo, diretora clínica da CUF Instituto de Oncologia, esteve na Edição da Manhã para nos falar daquela que é a terceira neoplasia maligna mais frequente do tubo digestivo em Portugal.

  • Contas Poupança ajuda-o a preparar-se para os descontos da Black Friday
    8:07
  • Juiz Ivo Rosa passa a ter segurança pessoal
    1:04

    Operação Marquês

    Desde terça-feira que Ivo Rosa tem segurança garantida pela PSP. Dois elementos do Corpo de Segurança Pessoal da polícia acompanham o juiz do Processo Marquês para todo o lado. O pedido foi feito por Ivo Rosa junto do Conselho Superior de Magistratura que remeteu o assunto para o SIS - Serviço de Informações de Segurança.