Ataque em Barcelona

Os ataques na Europa com recurso a veículos

Uma carrinha abalroou várias pessoas a 17 de agosto de 2017 nas Ramblas, no centro Barcelona, em Espanha. Treze pessoas morreram e dezenas ficaram feridas. Esta não foi a primeira vez que um ataque do género foi realizado na Europa.

Ataque em Barcelona

Barcelona sofreu um ataque com recurso a atropelamento. Uma carrinha branca atropelou várias pessoas na zona das Ramblas, fazendo pelo menos 13 mortos e mais de 50 feridos, segundo o último balanço oficial.

Oriol Duran

As autoridades estão a encarar o ataque como um ato terrorista e já revelaram uma fotografia do suspeito.

Ataque em Levallois-Terret, arredores de Paris

No dia 9 de agosto, seis militares ficaram feridos após uma viatura avançar contra uma patrulha antiterrorista em Levallois-Terret, nos arredores de Paris.

O atacante foi intercetado numa autoestrada, em direção ao norte de França, e ao tentar fugir da polícia, o condutor ainda chocou com vários veículos. As autoridades abriram fogo contra o atacante e conseguiram detê-lo.

O ministro do Interior francês Gerard Collomb disse que os soldados foram alvo de um ataque deliberado e defendeu uma nova lei contra o terrorismo.

Benoit Tessier / Reuters

Ataque junto a mesquita, Londres

A 19 de junho, Londres foi uma vez mais palco de um ataque com recurso a atropelamento. Uma carrinha avançou contra várias pessoas que saíam de uma mesquita, na capital britânica. O ataque fez um morto e 10 feridos, e foi tratado como um ato terrorista.

O autor do ataque foi identificado como Darren Osborne, de 47 anos, natural de Cardiff, no País de Gales; e foi acusado de "assassínio relacionado com terrorismo".

Ataque na Ponte de Londres

A 3 de junho, a capital britânica foi alvo de um ataque com recurso a atropelamento. Com uma carrinha, três homens atropelaram os peões que estavam na Ponte de Londres e, depois, apunhalaram várias pessoas no Mercado de Borough. Os dois ataques fizeram oito mortos e cerca de 50 feridos.

Neil Hall

Os autores do atentado foram abatidos pelas autoridades britânicas, minutos depois dos ataques, reivindicados pelo Daesh. Os atacantes foram identificados como Khuram Butt (27 anos), Rachid Radouane (30 anos) e Youssef Zaghba (22 anos).

Ataque em Estocolmo

A 7 de abril, um camião abalroou uma multidão no centro de Estocolmo, fazendo cinco mortos e cerca de 20 feridos.

7 de abril de 2017: Cinco pessoas foram mortas e várias ficaram feridas quando um camião entrou a alta velocidade pela principal rua pedonal de Estocolmo, Drottninggatan.

7 de abril de 2017: Cinco pessoas foram mortas e várias ficaram feridas quando um camião entrou a alta velocidade pela principal rua pedonal de Estocolmo, Drottninggatan.

© TT News Agency / Reuters

O autor confesso, o uzbeque Rakhmat Akilov, foi detido na noite do ataque num subúrbio da capital, e dias depois prestou declarações perante um juiz, admitindo ter cometido um ato terrorista.

Ataque na Ponte de Westminster, Londres

Em março, aconteceu mais um ataque do género, mas desta vez com um carro, e não com um camião.

A 22 de março, um homem num carro abalroou as pessoas que estavam a passear na ponte de Westminster, em Londres. O homem atropelou várias pessoas, antes de embater contra as grades do Parlamento britânico.

O atacante saiu do carro e esfaqueou um polícia que o tentou parar e, nessa altura, foi abatido pelas autoridades.

© Hannah Mckay / Reuters

O ataque fez seis mortos: três civis atropelados, o polícia esfaqueado, uma mulher que se atirou da ponte de Westminster para fugir ao atacante e o próprio autor do crime.

Khalid Masood

Khalid Masood

O atacante foi identificado como Khalid Masood, nascido como Adrian Russell Ajao.

Apesar do Daesh ter reivindicado o ataque, a polícia britânica não encontrou ligações entre o autor do ataque e o grupo jihadistas, que o reclamou como um dos seus "soldados".

Ataque em Berlim

A Alemanha também sofreu um ataque do género, a 19 de dezembro de 2016. Um camião entrou por um mercado de Natal em Berlim, abalroando a multidão que por ali passeava. O ataque fez 12 mortos e mais de 50 feridos.

Berlim, Alemanha

Berlim, Alemanha

© Hannibal Hanschke / Reuters

Antes do ataque, o atacante matou o condutor do camião e colocou-o no lugar do pendura, de modo a poder roubar o camião e avançar contra o mercado de Natal.

O homem conseguiu fugir às autoridades durante quatro dias, até ser abatido em Milão, Itália, quatro dias depois, a 23 de dezembro.

Anis Amri

Anis Amri

O atacante foi identificado como Anis Amri, um tunisiano de 24 anos, que tinha jurado lealdade ao Daesh. O grupo extremista reivindicou o ataque dias depois.

Berlim, Alemanha

Berlim, Alemanha

© Fabrizio Bensch / Reuters

Ataque em Nice

A 14 de julho de 2016, um camião embateu numa multidão que estava a festejar o Dia Nacional de França, em Nice. Ao todo, 84 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas.

Nice, França

Nice, França

© Eric Gaillard / Reuters

Após o atropelamento, o autor do ataque ainda saiu do camião para disparar contra a multidão, mas acabou por ser abatido pelas autoridades.

O autor do ataque chamava-se Mohamed Bouhlel e tinha 31 anos. O homem franco-tunisiano já tinha sido condenado por pequeno delitos, principalmente atos de violência, mas não estava sinalizado pela polícia.

Apesar de o Daesh ter reivindicado o ataque, não foi possível provar se o atacante tinha ligações ao grupo extremista.

Após a investigação das autoridades francesas, ficou a saber-se que Bouhlel planeou o ataque a Nice com mais cinco pessoas, que estão em prisão preventiva por suspeitas de cumplicidade.

Nice, França

Nice, França

© XXSTRINGERXX xxxxx / Reuters

  • Sérgio Conceição elogia prestação dos jogadores menos utilizados
    0:45

    Desporto

    No final do jogo entre Vila Real e FC Porto, que os dragões venceram por 6-0, Sérgio Conceição destacou a qualidade apresentada pelos jogadores menos utilizados no plantel, que tiveram a oportunidade de jogar. O treinador dos azuis e brancos sublinhou ainda que o segredo da vitória esteve no respeito pelo adversário.

  • Portugueses têm menos filhos do que gostariam

    País

    A diretora da representação do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) disse esta sexta-feira que em Portugal a fertilidade desejada está bastante abaixo da realizada, tendo o país uma taxa de fecundidade baixa.