Daesh

Perto de 4.500 russos são combatentes do Daesh

(arquivo)

Alaa Al-Marjani / Reuters

Perto de 4.500 russos integram as fileiras do grupo extremista Daesh, indicaram esta terça-feira os serviços secretos russos, que receiam o regresso destas pessoas agora que os jihadistas perderam quase todo o seu território na Síria e no Iraque.

"Foi estabelecido que cerca de 4.500 russos partiram para o estrangeiro para participar nos combates ao lado dos terroristas", afirmou o diretor da agência de serviços secretos russa conhecida pelas iniciais FSB (que sucedeu ao KGB),

Alexandre Bortnikov, numa entrevista publicada na página da Internet do diário estatal Rossiïskaïa Gazeta.

Até à data, os serviços de segurança da Rússia tinham informações sobre 2.900 jihadistas russos, a maioria oriundos das repúblicas muçulmanas do Cáucaso, que lutavam nas fileiras do Daesh no Iraque e na Síria.

Segundo Bortnikov, mais de 9.500 pessoas foram julgadas na Rússia nos últimos cinco anos "por crimes relacionados ao terrorismo ou ao extremismo".

Após o Presidente russo, Vladimir Putin, ter anunciado a retirada de parte das forças de Moscovo da Síria, a FSB afirmou que receava o regresso destes cidadãos à Rússia, país que recebe em 2018 o Campeonato do Mundo de Futebol.

Desde que iniciou a sua intervenção militar na Síria, a 30 de setembro de 2015, a Rússia já foi ameaçada por diversas vezes pelo Daesh e pelo ramo sírio da rede terrorista Al-Qaeda.

O país tem sofrido vários ataques reivindicados por estes grupos nos últimos meses, como foi o caso do ataque no metro da cidade russa de São Petersburgo que fez, a 3 de abril, 16 mortos e dezenas de feridos.

"A situação atual exige encontrar novos métodos mais eficazes para responder aos desafios e às ameaças mundiais", disse hoje o chefe de Estado russo, destacando a importância da cooperação entre os vários serviços de segurança internacionais.

No domingo passado, Putin agradeceu ao seu homólogo norte-americano, Donald Trump, pelas informações transmitidas pela CIA (serviços secretos norte-americanos) que permitiram travar um ataque terrorista que tinha como alvo São Petersburgo.

Nos últimos dias, várias operações conduzidas pelas forças especiais russas levaram à detenção, e em alguns dos casos à morte, de presumíveis membros do Daesh.

Lusa

  • Ryanair acusada de compactuar com atitude racista de passageiro
    1:36

    Mundo

    Numa nova polémica a envolver a Ryanair, a companhia aérea low cost é acusada de compactuar com uma atitude racista, depois de um passageiro ter obrigado um comissário de bordo a mudar uma mulher negra de lugar. O caso já está a ser investigado pelas autoridades.

  • Maior ponte marítima do mundo reduz para 45 minutos uma viagem de 4 horas
    0:56
  • Uma semana depois da tempestade Leslie
    3:02
  • Adoções por militares dos EUA eram vistas na Terceira como uma bênção para as crianças
    5:16
  • Acordo histórico entre EUA e Rússia comprometido
    1:32