Mário Soares 1924-2017

O último adeus a Mário Soares

Milhares de pessoas concentraram-se hoje junto ao cemitério dos Prazeres, em Lisboa, num último adeus a Mário Soares.

A urna de Mário Soares saiu esta tarde do Mosteiro dos Jerónimos e seguiu em cortejo rumo ao Cemitério dos Prazeres, no armão da GNR, com batedores da PSP, guarda a cavalo da GNR e outras viaturas que levaram a família e altas entidades.

O cortejo incluiu breves paragens no Palácio de Belém, Assembleia da República, Fundação Mário Soares e sede do PS no Largo do Rato, antes de chegar ao Cemitério dos Prazeres.

Algumas dezenas de pessoas aplaudiram a passagem do cortejo fúnebre de Mário Soares frente ao Palácio de Belém, onde também alguns funcionários assistiram ao momento pelas varandas.

À medida que o cortejo fúnebre avançava, cidadãos anónimos aguardavam nas ruas a passagem da urna de Mário Soares. As maiores concentrações populares tiveram lugar no Largo do Rato, junto à sede do PS, e em frente à Assembleia da República e da Fundação Mário Soares.

Na chegada ao Parlamento, ouviu-se um forte e longo aplauso que acompanhou e se seguiu ao momento da paragem simbólica do cortejo fúnebre.

Um intenso e sonoro aplauso ouviu-se também no Largo do Rato, ao mesmo tempo que se gritou o slogan da campanha presidencial de Mário Soares de 1986: "Soares é Fixe". A emoção dominou a multidão que se concentrou junto à sede do PS para assistir à passagem do cortejo fúnebre.

No momento da chegada ao Cemitério dos Prazeres ouviu-se o hino nacional e cumpriram-se as honras militares na Praça São João Bosco.

A voz do antigo Presidente da República foi ouvida no Cemitério dos Prazeres, num registo de 22 de janeiro de 1986 de um discurso da campanha de Mário Soares. A este momento seguiu-se a entrega das insígnias e da bandeira nacional à família. Uma salva de 21 tiros disparada de uma embarcação da Armada, no Tejo, acompanharam a entrega da bandeira por Marcelo Rebelo de Sousa.

Antes do início da cerimónia privada no Cemitério dos Prazeres, houve ainda uma breve passagem pela sepultura de Jaime Cortesão, considerada pela família uma figura inspiradora para Mário Soares.

Ao início da tarde, decorreu uma sessão solene de homenagem a Mário Soares, nos Claustros dos Jerónimos, com intervenções dos filhos, João e Isabel, do primeiro-ministo - em vídeo gravado na Índia, do presidente da Assembleia da República e do Presidente da República, além de alguns momentos musicais e de registos em áudio das vozes de Mário Soares e Maria Barroso.

Faltavam poucos minutos para as 13:00 quando o caixão carregado a ombro por seis militares entrou nos claustros. Mais de 500 convidados assistiram em silêncio.

Durante a manhã, centenas de pessoas passaram pela Sala dos Azulejos, no Mosteiro dos Jerónimos, para prestarem homenagem ao antigo Presidente da República.

  • O sonho americano
    12:13
  • Mantém-se impasse no Brexit
    2:14