Orçamento do Estado 2018

Confederação do Comércio quer redução de IRC e PEC

Confederação do Comércio quer redução de IRC e PEC

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) defendeu junto do Presidente da República a redução do IRC, tal como a CIP já o tinha hoje feito.No final da audiência em Belém, João Vieira Lopes disse que apresentou um conjunto de propostas para aliviar as dificuldades de capital das empresas.

"Temos um conjunto de propostas que levam a que tudo sejam Pagamentos Especiais por Conta ou outros pagamentos por conta que, na prática, são empréstimos forçados ao Estado, sejam fortemente diminuídos", disse o responsável aos jornalistas no Palácio de Belém, em Lisboa.

Falando depois de uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sobre o OE2018, João Vieira Lopes salientou que "as empresas têm dificuldades de capital e de tesouraria", pelo que este orçamento deve criar um panorama fiscal "mais favorável para agilizar o funcionamento" das companhias.

Outra das "três grandes preocupações" hoje apresentadas ao chefe de Estado refere-se ao Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC).

"Nós pensamos que deveria continuar o movimento de baixa do IRC, mesmo que a um ritmo mais simbólico do que já foi feito no passado", sustentou o presidente da CCP.

Em alternativa, sugeriu que o Governo encontre "fórmulas de atenuar esse tipo de pressão sobre as empresas, podendo ou não haver escalões, em particular tudo o que seja as chamadas tributações autónomas, que são aqueles custos das empresas que não são considerados e sobre os quais incide IRC".

João Vieira Lopes falou num "conjunto de procedimentos que existem de responsabilidades de execução de tarefas para o Fisco, por parte das empresas, assim como também algumas legislações excessivamente radicais quanto às responsabilidades dos gestores".

O responsável lamentou que "hoje em dia um gestor possa ver os seus bens apreendidos por questões que se passaram há dezenas de anos e sobre as quais não têm responsabilidade".

"Gostaríamos de simplificar um conjunto de procedimentos para que, hoje em dia, ser gerente de uma empresa, não seja uma profissão de alto risco", reforçou.

Marcelo Rebelo de Sousa começou hoje a receber os parceiros económicos e sociais sobre o Orçamento do Estado para 2018, depois de ter ouvido os sete partidos com assento parlamentar.

Com Lusa

  • Diretor artístico demite-se do Museu de Serralves
    2:44

    Cultura

    Estão ainda por esclarecer as razões da demissão do diretor artístico do Museu de Serralves. João Ribas apresentou a demissão esta sexta-feira, um dia depois da inauguração da exposição do fotógrafo Robert Mapplethorp. A demissão foi associada a restrições a algumas imagens de cariz sexual explícito. Mas a Fundação de Serralves garante que foi o próprio João Ribas quem decidiu retirar duas obras da exposição. E sublinha que estava decidido desde o início apresentar as obras de cariz sexual explícito numa zona com acesso restrito.

  • Relação do Porto mantém em liberdade dois homens que violaram mulher inconsciente
    1:27

    País

    Há mais uma polémica em torno de uma decisão do tribunal da Relação do Porto. Chamada a reavaliar uma decisão da 1.ª Instância, a Relação entendeu que devia manter em liberdade dois homens que, em 2016, violaram uma mulher quando ela estava inconsciente. Os juízes dizem que a culpa dos dois homens é "mediana" e que a "ilicitude não é elevada".

  • Personalidades do futebol dizem que Ronaldo foi vítima de excesso de zelo
    2:03

    Desporto

    A UEFA vai anunciar o castigo de Cristiano Ronaldo na próxima quinta-feira, depois do cartão vermelho que o internacional português recebeu no jogo da Liga dos Campeões. O castigo pode ir de um a três jogos de suspensão. Várias personalidades do mundo do futebol acreditam que o jogador foi vítima do excesso de zelo do árbitro.