Orçamento do Estado 2019

Jerónimo de Sousa garante que não desiste de aumento de salário mínimo para 650€

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, garantiu na quinta-feira, na Moita, distrito de Setúbal, que não vai desistir do aumento do salário mínimo nacional para 650 euros no próximo ano.

" [Este é] um combate que não desistimos de travar, apesar da oposição do PS, PSD e CDS ao projeto de valorização do salário mínimo que o PCP apresentou na Assembleia da República debatido há dias. São os trabalhadores que produzem a riqueza e a riqueza tem de ser distribuída de forma mais justa", referiu Jerónimo de Sousa numa sessão pública sobre a intervenção do PCP.

O líder comunista frisou que o PCP vai continuar a lutar pela valorização geral dos salários, incluindo a fixação do salário mínimo nacional em "650 euros em 01 de janeiro de 2019".

"Nós que falamos aqui em reformas, não tenhamos ilusões. Enquanto existirem baixos salários, existirão baixas reformas e a luta pela valorização dos salários é uma batalha importante", frisou.

O secretário-geral comunista defendeu, também, que os dados estatísticos da atualidade mostram como as "teorias do Governo PSD e CDS" estavam erradas e que não era preciso "exploração e empobrecimento".

"O Governo PSD e CDS dizia que era preciso fazer sacrifícios, que era inevitável que a política de exploração e empobrecimento prosseguisse tanto naqueles quatro anos, como nos anos seguintes se fossem Governo. E, afinal, a vida provou que não era inevitável esse caminho da exploração e empobrecimento. Afinal os dados estatísticos mostram que a economia cresceu e que as pessoas têm capacidade de consumo", apontou.

Para Jerónimo de Sousa, "o caminho da valorização dos salários é bom para a economia, é bom para o país e é bom para os trabalhadores".

Lusa

  • Contas Poupança ajuda-o a preparar-se para os descontos da Black Friday
    8:07
  • Juiz Ivo Rosa passa a ter segurança pessoal
    1:04

    Operação Marquês

    Desde terça-feira que Ivo Rosa tem segurança garantida pela PSP. Dois elementos do Corpo de Segurança Pessoal da polícia acompanham o juiz do Processo Marquês para todo o lado. O pedido foi feito por Ivo Rosa junto do Conselho Superior de Magistratura que remeteu o assunto para o SIS - Serviço de Informações de Segurança.