Mundo

Lei que proíbe consulta de sites jihadistas em França considerada inconstitucional

A lei que proíbe em França a consulta regular de sites jihadistas que veiculem mensagens sobre "atos terrorristas" foi considerada inconstitucional. A legislação foi promulgada em junho, meio ano depois dos ataques de Paris.

A decisão judicial foi anunciada esta sexta-feira por um coletivo de dez juizes do Tribunal Constitucional. À infração desta lei estava estabelecida a aplicação de uma pena de dois anos de prisão, mas os magistrados consideram agora que esta lei viola a liberdade de comunicação desnecessáriamente e desproporcionalmente.

Esta decisão surgiu na sequência da solicitação de um advogado, responsável pela defesa de um homem condenado a dois anos de cadeia, e que pediu a reavaliação da lei.

A legislação que poíbe a consulta regular de sites associados ao movimento jihadista surgiu na sequência dos atentados em Paris, em novembro de 2015, que causaram a morte de 130 pessoas. Estes ataques, da autoria do Daesh, levaram também à declaração do estado de emergência em França.

  • Acidente que vitimou duas pessoas em Pavia originou incêndio rural
    1:19

    País

    Um violento acidente em Pavia, no concelho de Mora, fez este sábado dois mortos e quatro feridos. As vítimas mortais são dois dos três ocupantes de um carro com matrícula estrangeira. O choque entre os dois veículos acabou ainda por dar origem a um incêndio rural que mobilizou 57 operacionais auxiliados por três meios aéreos.

  • Sobe para 43 o número de mortos na queda da ponte em Génova
    1:52
  • Temperaturas voltam a subir este fim-de-semana
    1:48

    País

    As temperaturas voltam a subir este fim-de-semana e podem rondar os 40º em algumas regiões do país. Há 15 distritos sob aviso amarelo devido ao calor e sete em alerta vermelho pelo risco de incêndio. O ministro da Administração Interna já decretou a situação de alerta até a próxima quarta-feira.

  • Daimler chama às oficinas um milhão de carros

    Economia

    O fabricante automóvel alemão Daimler pediu que um milhão de veículos sejam levados às oficinas por suspeita de terem um sistema para manipular as emissões de gases poluentes, afetando praticamente todas as classes, divulga este sábado um jornal.