Mundo

Liberdade na internet cai pelo sétimo ano consecutivo

A liberdade na internet caiu pelo sétimo ano consecutivo no mundo, devido a um aumento "drástico" das tentativas de muitos governos em manipular a informação das redes sociais, um fenómeno que afetou 18 eleições, foi anunciado esta terça-feira.

Esta é a principal conclusão do relatório anual sobre a liberdade na internet, produzido pela organização independente Freedom House (FH), apresentado hoje em Washington, capital dos Estados Unidos da América, de acordo com a agência de notícias espanhola EFE.

"O uso de comentadores pagos e de máquinas políticas para a difusão automática de propaganda governamental teve início na China e na Rússia, mas agora tornou-se global. Os efeitos destas técnicas de disseminação rápida sobre a democracia e o ativismo cívico são potencialmente devastadores", explica o presidente da FH.

O relatório "Liberdade na Internet 2017" debruça-se sobre o período entre junho de 2016 e maio deste ano e avalia a situação em 65 países, que representam 87% dos internautas do mundo.

"Os governos estão a usar as redes sociais para reprimir a dissidência e promover uma agenda antidemocrática", frisa Sanja Kelly, diretora do projeto "Liberdade na Net".

"Não é só difícil detetar essa manipulação, mas é mais difícil de combater do que outros tipos de censura, como o bloqueio de 'sites', porque está disperso, e devido ao grande número de pessoas e máquinas automáticas de propaganda implantados para fazê-lo", acrescentou.

As táticas de manipulação e de desinformação na internet desempenharam um papel importante nas eleições em pelo menos 18 países, incluindo os Estados Unidos, "o que prejudicou a capacidade dos cidadãos de eleger os seus líderes com base em notícias objetivas e debates autênticos", destaca o relatório.

Além disso, "a fabricação de apoio popular nas redes sociais para as políticas governamentais cria um ciclo fechado em que o regime se protege a si próprio, deixando de fora grupos independentes e cidadãos comuns", defende Sanja Kelly.

A manipulação de conteúdos em linha contribuiu, assim, para um sétimo ano consecutivo de declínio geral na liberdade na internet, juntamente com o aumento das interrupções do serviço de internet móvel e o aumento dos ataques físicos e técnicos contra defensores dos direitos humanos e órgãos de comunicação social independentes.

Os governos de um total de 30 países implantaram "alguma forma de manipulação" para distorcer a informação na internet.

Lusa

  • Novo aeroporto "em banho-maria"
    0:24
  • Medina explica que a Casa do Presidente foi concedida a uma empresa privada em 2014
    0:31

    País

    O presidente da Câmara de Lisboa explica que residência oficial é um "nome histórico" que ficou atribuído à Casa do Presidente da Villa, que foi concedida a uma empresa privada em 2014. A autarquia recebe 2600 euros por mês pelo aluguer do espaço. Fernando Medina acrescenta que a figura do presidente de Câmara não tem nenhuma residência oficial. 

  • Morte do jornalista saudita foi "monstruosamente planeada"
    0:45

    Mundo

    O porta-voz da Turquia, Omer Celik , acredita que a morte do jornalista Jamal khashoggi foi um crime planeado de forma monstruosa. O jornalista terá sido assassinado dentro do consulado saudita em Istambul. O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, promete revelar toda a verdade sobre o caso.

  • Jovem de 16 anos aponta arma à cabeça da professora em França

    Mundo

    Dois alunos de uma escola em Créteil, na França, foram detidos depois de terem apontado uma arma à professora. Num vídeo filmado e divulgado por colegas, é possível ouvir o aluno a pedir à professora para lhe tirar a falta de presença, ao mesmo tempo que lhe apontava uma pistola de airsoft à cabeça.

  • Há um bufo no Manchester United e Mourinho quer descobrir quem é
    0:34
  • Barco com refugiados afunda a poucos metros da costa da Turquia
    2:21