Mundo

Maior diamante alguma vez leiloado vendido por 29 milhões

O maior diamante alguma vez disputado em leilão, achado em Angola, foi adjudicado esta terça-feira à noite em Genebra, por cerca de 34 milhões de dólares (29 milhões de euros), anunciou a leiloeira Christie's.

O diamante de 163,41 quilates, sem falhas, suspenso de um colar de esmeraldas e de diamantes, designado The Art of Grisogono, foi vendido por 33,8 milhões de dólares (28,7 milhões de euros), com taxas e comissões incluídas, adiantou a leiloeira.

A peça, da joalheira suíça Grisogno, foi a leilão num hotel de Genebra com um preço base de 20 milhões de francos (17,2 milhões de euros).

O diamante, que tem a cor D, o grau mais alto na cor, por ser muito pouco frequente, é um dos mais excecionais alguma vez exibidos pela Christie's, segundo um dos dirigentes desta, Rahul Kadakia.

A pedra original de onde foi extraído era de 404 quilates.Esta foi enviada para Amberes, na Bélgica, para ser avaliada, de onde seguiu para Nova Iorque, onde foi talhada por dez especialistas, que a conseguiram cortar com laser e polir a gema.

Após 11 meses de trabalho, o diamante foi enviado para o Instituto de Gemologia da América (GIA, na sigla em inglês) para efeitos de certificação, que foi feita em dezembro de 2016.

Em Genebra, o desenhador da Grisogno, Fawz Gruosi, presente hoje no leilão, juntamente com a sua equipa, criou 50 desenhos diferentes em torno do diamante.

No início de fevereiro passado, coincidindo com o primeiro aniversário da descoberta da pedra, foi decidido o desenho atual: um colar assimétrico que tem no lado esquerdo 18 diamantes com corte esmeralda e no direito duas filas de esmeraldas em forma de pera.

A casa de joalharia suíça precisou de 1.700 horas para criar o colar, um trabalho que exigiu o envolvimento de 14 especialistas.

No leilão esteve também em destaque outro diamante, um histórico designado "O Grande Mazarin", uma gema ligeiramente rosada, de 19,07 quilates, que foi adjudicada por 14,4 milhões de francos (12,4 milhões de euros).

Este diamante, que estava agora numa coleção privada, pertenceu ao cardeal Mazarin (1602-1661), Luis XIV de França, Luis XV, Luis XVI, Napoleão I, a Maria Luísa da Áustria, Luis XVII, Carlos X, Napoleão III, Eugénia de Montijo, Frédéric Boucheron e ao barão de Derwies.

Lusa

  • Novo aeroporto "em banho-maria"
    0:24
  • Medina explica que a Casa do Presidente foi concedida a uma empresa privada em 2014
    0:31

    País

    O presidente da Câmara de Lisboa explica que residência oficial é um "nome histórico" que ficou atribuído à Casa do Presidente da Villa, que foi concedida a uma empresa privada em 2014. A autarquia recebe 2600 euros por mês pelo aluguer do espaço. Fernando Medina acrescenta que a figura do presidente de Câmara não tem nenhuma residência oficial. 

  • Morte do jornalista saudita foi "monstruosamente planeada"
    0:45

    Mundo

    O porta-voz da Turquia, Omer Celik , acredita que a morte do jornalista Jamal khashoggi foi um crime planeado de forma monstruosa. O jornalista terá sido assassinado dentro do consulado saudita em Istambul. O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, promete revelar toda a verdade sobre o caso.

  • Jovem de 16 anos aponta arma à cabeça da professora em França

    Mundo

    Dois alunos de uma escola em Créteil, na França, foram detidos depois de terem apontado uma arma à professora. Num vídeo filmado e divulgado por colegas, é possível ouvir o aluno a pedir à professora para lhe tirar a falta de presença, ao mesmo tempo que lhe apontava uma pistola de airsoft à cabeça.

  • Há um bufo no Manchester United e Mourinho quer descobrir quem é
    0:34
  • Barco com refugiados afunda a poucos metros da costa da Turquia
    2:21