Mundo

Cimeira sobre o clima em Paris marcada pela ausência dos EUA

PHILIPP GUELLAND

Mais de 50 chefes de Estado e de Governo, incluindo o primeiro-ministro português, participam na terça-feira em Paris numa cimeira sobre o clima promovida pelo Presidente francês, marcada pela "ausência" dos Estados Unidos.

No encontro, que o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, pretende que sirva para impulsionar a aplicação do Acordo de Paris sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa (assinado há dois anos e ao qual o Presidente norte-americano, Donald Trump, renunciou) vai estar também o secretário-geral da ONU, o português António Guterres.

Segundo a presidência francesa, vão estar na cimeira "One Planet Summit" mais de 2.000 "atores-chave", do setor público e privado, desde os chefes de governo de Espanha e Reino Unido, Mariano Rajoy e Theresa May, ao ator Leonardo DiCaprio ou ao multimilionário Bill Gates.

A "One Planet Summit" junta ainda outros norte-americanos "envolvidos" na questão das alterações climáticas, como o ex-governador do estado da Califórnia Arnold Schwarzenegger ou o antigo presidente da Câmara de Nova Iorque Michael Bloomberg.

Os Estados Unidos trocaram uma presença de alto nível por uma representação pelo encarregado de negócios da embaixada em Paris, por decisão da Casa Branca, segundo a presidência francesa.

Em contrapartida, estarão presentes chefes de Estado africanos, dirigentes de países afetados pelas alterações climáticas (como o Bangladesh e ilhas do Pacífico e Haiti), Jim Yong Kim, presidente do Banco Mundial, e responsáveis de grandes cidades, empresas e organizações não governamentais, empenhados no combate às alterações climáticas.

O objetivo é, segundo o Palácio do Eliseu, impulsionar os "atores envolvidos" e os projetos ligados à luta contra as alterações climáticas "de uma forma muito concreta".

A cimeira foi anunciada em julho por Emmanuel Macron como uma forma de retomar a questão da luta contra as alterações climáticas e a redução da emissão dos gases com efeito de estufa, após o anúncio, em junho, da intenção de Donald Trump de retirar os Estados Unidos do Acordo de Paris.

A reunião vai decorrer num novo local cultural perto de Paris, na cidade da música da ilha de Seguin (a oeste de Paris), após um almoço dos chefes de Estado e de Governo no Palácio do Eliseu (presidência francesa).

Com eventos paralelos a decorrer dois dias antes, a presidência francesa disse que são esperados "uma dezena de grandes anúncios" após a reunião, que "se insere na agenda internacional sobre o clima", nomeadamente no ciclo das COP (Conferências das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas). Organizada pelo Eliseu, ONU e Banco Mundial, a cimeira acontece pouco depois da 23.ª COP que decorreu em Bona, na Alemanha, em novembro.

Organizações não governamentais consideraram na altura que no encontro de Bona não ficaram estabelecidas formas concretas de conseguir que as temperaturas não aumentem mais de dois graus em relação aos valores pré-industriais, uma das metas do Acordo de Paris.

Paris espera agora, segundo declarações de fontes oficiais no mês passado, um reforço do financiamento da luta contra as alterações climáticas ou a apresentação de projetos efetivos em setores como os transportes, agricultura ou energias renováveis.

Portugal tem defendido a aposta nas energias renováveis. No passado dia 05 em Rabat, após a 13.ª Cimeira Luso-Marroquina, António Costa garantiu que o país manterá a aposta no desenvolvimento das energias renováveis para atingir as metas do Acordo de Paris em matéria de descarbonização da economia.

Perante os jornalistas, António Costa prometeu que Portugal "continuará a desenvolver as energias renováveis e a baixar a fatura energética".

Concluído em 12 de dezembro de 2015 durante a conferência das Nações Unidas sobre o clima (COP21) em Paris, assinado por quase todos os países do mundo, o Acordo de Paris entrou em vigor a 04 de novembro de 2016. Visa limitar a subida da temperatura mundial reduzindo as emissões de gases com efeito de estufa.

  • Uma "mão invisível" ajudou a subir e manter o preço das ações do BCP. Pedro Coelho explica como
    3:42
  • O "amor cego" de Francisco por Maria Leal
    35:21
  • Comandante dos bombeiros da Figueira da Foz diz que demissão é "grito de revolta"
    7:52

    Tempestade Leslie

    O comandante dos Bombeiros Municipais da Figueira da Foz demitiu-se esta quarta-feira depois de ter sido acusado de ter abandonado o posto durante a tempestade Leslie. À SIC, Nuno Osório explica que a demissão é um “grito de revolta” pelas “difamações e mentiras” veiculadas na comunicação social e redes sociais. O comandante afirma ainda que se ausentou do terreno, mas apenas por volta das 05:00 da manhã de domingo por “necessidades pessoais”.

  • Circulação rodoviária e ferroviária suspensas devido a rotura de conduta em Alcântara
    3:35

    País

    O trânsito na Rua Maria Pia continua cortado, assim como a circulação ferroviária entre Ponte Santana e Alcântara-Terra. Tanto a rua como várias casas ficaram inundadas. O diretor de comunicação da EPAL, Marques Sá, garante que a empresa vai avançar com o processo de indemnização a quem foi afetado pelas inundações e anunciou que entretanto foi retomado o abastecimento de água nas três ruas afetadas.

  • Marcelo exige estratégia de combate à pobreza em Portugal
    2:52

    País

    Mais de um milhão de portugueses trabalham, mas vivem na pobreza, e mais de dois milhões estão em risco de exclusão social. São números alarmantes que levam o Presidente da República a exigir ao Governo uma estratégia de combate à pobreza em Portugal.

  • Saiba se a sua conta do Facebook foi afetada pelo ataque informático

    País

    O ataque informático ao Facebook a 25 de setembro expôs informações de 29 milhões de contas. Mas não pense que os afetados estão do outro lado do mundo ou que isso nunca acontece em Portugal. Para tirar as dúvidas, a rede social disponibilizou uma ferramenta que diz se a sua conta foi afetada ou não.

    SIC