Mundo

Trump diz que EUA darão ajuda ao povo iraniano quando for "o momento adequado"

Kevin Lamarque

O Presidente norte-americano, Donald Trump, disse hoje que, "no momento adequado", os Estados Unidos darão apoio ao povo iraniano, referindo que tem "muito respeito" por quem tenta "recuperar o controlo de um governo corrupto".

"Muito respeito pelo povo do Irão que tenta recuperar o controlo do seu governo corrupto. No momento adequado verão um grande apoio dos Estados Unidos!", escreveu hoje Trump na sua conta do Twitter.

As manifestações contra a política económica do governo iraniano começaram na passada quinta-feira na cidade de Mashad - a segunda maior do país - estendendo-se depois a várias outras localidades, entre as quais a capital, Teerão.

Os protestos resultaram, até ao momento, em pelo menos 21 mortos, e centenas de detenções entre os manifestantes.

Hoje, milhares de iranianos manifestaram-se em várias cidades iranianas, mas a favor do regime, gritando "Morte aos Estados Unidos, morte a Israel".

Desde os primeiros dias de protestos que Trump tem enviado mensagens de apoio aos manifestantes, com comentários sobre a situação política e económica do Irão: na segunda-feira afirmou ter chegado "a hora da mudança" no país, e no domingo acusou o governo de Teerão de "bloquear a Internet" para impedir as comunicações entre os manifestantes.

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, afirmou na terça-feira que as mensagens de Trump não se referiam a uma mudança de regime no Irão, mas sim a um apelo para que o povo iraniano possa usufruir de "direitos humanos básicos" e para que Teerão deixe de "patrocinar o terrorismo".

Ainda assim, na mensagem de hoje - que refere que "o povo do Irão tenta recuperar o controlo do seu governo corrupto" - Trump parece ir mais longe, numa referência a eventuais alterações políticas no país.

Lusa

  • Ryanair acusada de compactuar com atitude racista de passageiro
    1:36

    Mundo

    Numa nova polémica a envolver a Ryanair, a companhia aérea low cost é acusada de compactuar com uma atitude racista, depois de um passageiro ter obrigado um comissário de bordo a mudar uma mulher negra de lugar. O caso já está a ser investigado pelas autoridades.

  • Maior ponte marítima do mundo reduz para 45 minutos uma viagem de 4 horas
    0:56
  • Uma semana depois da tempestade Leslie
    3:02
  • Adoções por militares dos EUA eram vistas na Terceira como uma bênção para as crianças
    5:16
  • Acordo histórico entre EUA e Rússia comprometido
    1:32