Mundo

O DACA "provavelmente está morto" por causa dos democratas

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou este domingo que o programa que protege da deportação jovens imigrantes indocumentados, o DACA (Ação Diferida para Imigração Infantil), "provavelmente está morto", porque "os democratas não o querem verdadeiramente".

O DACA protege da deportação 800.000 indocumentados, conhecidos como 'dreamers' ('sonhadores'), chegados aos Estados Unidos enquanto crianças.

Cerca de 520 portugueses são abrangidos pelo programa.Em setembro de 2017, Trump cancelou o programa criado por Barack Obama, dando até março deste ano para o Congresso dos EUA achar uma solução legislativa para estas pessoas.

"Os democratas não o querem verdadeiramente", escreveu hoje no Twitter o Presidente dos Estados Unidos, que na semana passada rejeitou uma proposta sobre imigração elaborada por um grupo de senadores bipartidário (Republicanos e Democratas).

O acordo incluía uma via para que os 'Dreamers' pudessem obter a cidadania, bem como uma verba de 1,6 mil milhões de dólares, incluindo para o muro na fronteira com o México, uma das mais emblemáticas promessas eleitorais de Trump.

No entanto, Trump escreveu hoje: "O DACA provavelmente está morto, porque os Democratas não o querem verdadeiramente. Apenas querem falar e retirar aos militares dinheiro que lhes faz muita falta".

No sábado, Trump deu como perdido o acordo sobre migrações do grupo bipartidário. Foi na última reunião com este grupo que Trump se referiu ao Haiti, a El Salvador e às nações africanas como "países de merda", o que motivou grande contestação na comunidade internacional.

Outra das medidas incluídas na proposta seria a eliminação do sorteio de vistos, através do qual atualmente se concedem 50 mil autorizações de permanência nos EUA por ano.

Jonathan Ernst

A ideia seria transformar metade destes vistos em autorizações para as pessoas afetadas pelo fim do Estatuto de Proteção Temporário (TPS).

Quando os senadores lhe explicaram os termos do acordo, Trump reagiu com as palavras: "Por que razão queremos que toda esta gente de países de merda venha para cá?", numa referência a El Salvador, Haiti e os países africanos.

O Presidente norte-americano voltou hoje a referir-se ao assunto."Eu, como Presidente, quero que as pessoas que vêm para o nosso país nos ajudem a tornarmo-nos, outra vez, num país mais forte e maravilhoso. Pessoas que venham através de um sistema baseado no mérito. Sorteios não. Os Estados Unidos primeiro", sublinhou.

A divulgação das declarações de Trump sobre os "países de merda" torpedearam as negociações sobre migrações, mesmo quando os democratas já tinham concordado em incluir a concessão de fundos para a construção do muro com o México.

Lusa

  • Uma "mão invisível" ajudou a subir e manter o preço das ações do BCP. Pedro Coelho explica como
    3:42
  • O "amor cego" de Francisco por Maria Leal
    35:21
  • Comandante dos bombeiros da Figueira da Foz diz que demissão é "grito de revolta"
    7:52

    Tempestade Leslie

    O comandante dos Bombeiros Municipais da Figueira da Foz demitiu-se esta quarta-feira depois de ter sido acusado de ter abandonado o posto durante a tempestade Leslie. À SIC, Nuno Osório explica que a demissão é um “grito de revolta” pelas “difamações e mentiras” veiculadas na comunicação social e redes sociais. O comandante afirma ainda que se ausentou do terreno, mas apenas por volta das 05:00 da manhã de domingo por “necessidades pessoais”.

  • Circulação rodoviária e ferroviária suspensas devido a rotura de conduta em Alcântara
    3:35

    País

    O trânsito na Rua Maria Pia continua cortado, assim como a circulação ferroviária entre Ponte Santana e Alcântara-Terra. Tanto a rua como várias casas ficaram inundadas. O diretor de comunicação da EPAL, Marques Sá, garante que a empresa vai avançar com o processo de indemnização a quem foi afetado pelas inundações e anunciou que entretanto foi retomado o abastecimento de água nas três ruas afetadas.

  • Marcelo exige estratégia de combate à pobreza em Portugal
    2:52

    País

    Mais de um milhão de portugueses trabalham, mas vivem na pobreza, e mais de dois milhões estão em risco de exclusão social. São números alarmantes que levam o Presidente da República a exigir ao Governo uma estratégia de combate à pobreza em Portugal.

  • Saiba se a sua conta do Facebook foi afetada pelo ataque informático

    País

    O ataque informático ao Facebook a 25 de setembro expôs informações de 29 milhões de contas. Mas não pense que os afetados estão do outro lado do mundo ou que isso nunca acontece em Portugal. Para tirar as dúvidas, a rede social disponibilizou uma ferramenta que diz se a sua conta foi afetada ou não.

    SIC