Mundo

Morteiros disparados da Síria fazem um morto e 13 feridos na Turquia

CAN EROK

Um ataque com morteiros disparados esta quarta-feira do enclave curdo de Afrine, na Síria, sobre o centro da cidade turca de Kilis fez um morto e 13 feridos, noticiou a estação televisiva turca NTV.

Um primeiro projétil atingiu às 15:10 TMG (e de Lisboa) a mesquita de Çalik, em pleno centro de Kilis, e outro caiu sobre uma casa a cem metros de distância.

Num primeiro momento, o governador da província de Kilis, Mehmet Tekinarslan, referiu a existência de oito feridos, mas pouco depois a NTV informou que os morteiros fizeram um morto e 13 feridos.

Tekinarslan explicou à imprensa turca que o ataque ocorreu à hora da oração do entardecer e que a mesquita sofreu danos, enquanto na casa atingida não se registaram vítimas mortais.

Cinco pessoas que se encontravam na habitação, quatro das quais crianças, sofreram ferimentos relacionados com a inalação de fumo da explosão e foram transportadas para o hospital.

O centro de Kilis, uma cidade de cerca de 100.000 habitantes, capital da província homónima, no sul da Turquia, dista apenas seis quilómetros da fronteira da região síria de Afrine, sob controlo dos combatentes curdos das Unidades de Proteção Popular (YPG).

O exército turco lançou no sábado a operação militar "Ramo d'Oliveira" contra Afrine, para expulsar as YPG do enclave curdo situado no extremo noroeste da Síria, e no domingo iniciou uma invasão terrestre que prossegue com intensos combates.

Desde sábado à noite, 12 morteiros atingiram Kilis e a cidade de Reyhanli, na província turca de Hatay, a oeste de Afrine, fazendo um morto e 50 feridos.

O Governo turco apresentou os disparos de morteiros contra cidades turcas como razão para a guerra, embora estes só tenham começado depois do início da ofensiva militar aérea e terrestre turca contra Afrine.

Lusa

  • Polícia britânica acredita que ataque junto ao Parlamento foi ato isolado
    2:15
  • Donald Trump acusa ex-assessora de ser "um cão"

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump aumentou esta terça-feira o tom do confronto com a antiga assessora Omarosa Manigault Newman, que chegou a ser a afro-americana com estatuto mais elevado na Casa Branca, designando-a como "esse cão!".