Mundo

EUA "preparados para qualquer eventualidade" quanto à Coreia do Norte

Joshua Roberts

O vice-presidente norte-americano, Mike Pence, declarou esta quinta-feira que os Estados Unidos estão "preparados para qualquer eventualidade" em relação à ameaça norte-coreana, sublinhando que "todas as opções estão em cima da mesa".

"Que o mundo saiba, nesta base aérea de Yokota e em todo o lado, que nós estamos preparados para qualquer eventualidade", frisou, perante os soldados reunidos na base militar norte-americana situada a cerca de 40 quilómetros de Tóquio.

"Vocês, os instrumentos do poder americano, sabem e fazem saber aos nossos adversários que todas as opções estão em cima da mesa", prosseguiu, no último dia de uma escala de três no Japão. Qualquer ataque, incluindo "o uso de arma nuclear", terá uma "resposta rápida, esmagadora e eficaz", acrescentou o número dois da Administração Trump.

Mike Pence encontrava-se a caminho dos Jogos Olímpicos de inverno, que começam na sexta-feira na Coreia do Sul e onde encabeçará a delegação dos Estados Unidos. As suas declarações surgem num momento em que a preparação dos Jogos Olímpicos ocasionou uma aparente aproximação entre as duas Coreias. No evento a Coreia do Norte e a Coreia do Sul participam com uma delgação conjunta.

O vice-presidente norte-americano afirmou mais uma vez, tal como fizera na véspera, ao lado do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, que Washington vai "intensificar" as pressões sobre Pyongyang para que o regime de Kim Jong-Un desista do seu programa de desenvolvimento de armas nucleares e balísticas.

Lusa

  • Juiz Neto Moura processou agente da PSP que lhe apreendeu o carro
    3:28

    País

    Além dos quatro militares da GNR processados pelo juiz Neto Moura, o magistrado também levou a tribunal o agente da PSP que em 2012 apreendeu o carro do juiz, porque circulava sem matrículas. Ao contrário dos militares, o agente da PSP foi absolvido.

    Notícia SIC

  • FBI despede agente que fez críticas a Trump

    Mundo

    Peter Strzok, um agente da política federal (FBI, na sigla em inglês), que o procurador especial Robert Mueller tinha removido da investigação à interferência russa pelas mensagens de correio eletrónico anti-Trump, foi despedido.