Mundo

Presidente sul-africano diz que se demitirá se moção de censura for aprovada

KIM LUDBROOK

O chefe de Estado da África do Sul, Jacob Zuma, afirmou hoje que abandonará a Presidência se o Parlamento votar, quinta-feira, a favor da moção de censura apresentada pelo próprio Congresso Nacional Africano (ANC, no poder desde 1994).

Em declarações à cadeia de televisão pública sul-africana SABC, e após várias insistências do jornalista, Zuma, no cargo desde 2009, acabou por indicar que aceitará a decisão do Parlamento, rejeitando, porém, a exigência do ANC para se demitir antes da votação de quinta-feira à tarde.

Zuma, que indicou que fará uma declaração ao país ainda hoje, adiantou que está a ser "vítima" e que discorda dos esforços do ANC para demiti-lo.

Por outro lado, assumiu que pensou em apresentar a demissão, mas que decidiu, depois, ficar "mais uns meses" num cargo que, constitucionalmente, vigora até 2019, ano de eleições presidenciais.
"Não fiz nada de mal (...). Estou em desacordo com a decisão (do ANC). Mas se o parlamento disser que não me quer mais, partirei", sublinhou Zuma.

Na entrevista à SABC, Zuma considerou "injusta" a decisão do ANC de exigir a sua demissão, realçando que o partido não apresentou "razões claras" para tal.

O ANC indicou hoje que, caso Zuma não se demita do cargo, está já marcada para a tarde de quinta-feira a apresentação, no parlamento, de uma moção de censura.

"É muito injusto que o assunto seja permanentemente levantado. O que poderei fazer? Ninguém é capaz de apresentar razões claras" para a demissão, afirmou Zuma, aludindo ao ANC.

"Preciso de ser informado sobre o que fiz. Porquê tanta pressa?", questionou Zuma, acusado desde 2016 de vários atos de corrupção, que sempre negou.

O poder de Zuma tem vindo a diminuir desde que o seu vice-presidente, Cyril Ramaphosa, lhe sucedeu, em dezembro, à frente do ANC, ficando bem posicionado para se tornar chefe de Estado da África do Sul nas eleições do próximo ano.

Ramaphosa fez do combate à corrupção governamental uma das prioridades durante a pré-campanha e a campanha para a liderança do ANC.

Nos casos que alegadamente envolvem o Presidente da República, está causa sobretudo determinar a extensão de eventuais crimes cometidos pelos três irmãos Gupta, família de origem indiana que domina os negócios na África do Sul e que está também a ser investigada pelos serviços secretos do FBI.

Além das acusações de que Zuma esteja a favorecer as atividades empresariais dos irmãos, o FBI investiga fluxos de caixas suspeitos, enviados pelos Gupta diretamente da África do Sul para o Dubai e para os Estados Unidos.

A oposição sul-africana considera que Ajay, Atulk e Rajesh Gupta asseguraram junto de Zuma importantes posições na administração sul-africana, pagando somas avultadas em dinheiro e permitindo ganhar concursos públicos no valor de centenas de milhões de dólares.

Lusa

  • Juiz Neto Moura processou agente da PSP que lhe apreendeu o carro
    3:28

    País

    Além dos quatro militares da GNR processados pelo juiz Neto Moura, o magistrado também levou a tribunal o agente da PSP que em 2012 apreendeu o carro do juiz, porque circulava sem matrículas. Ao contrário dos militares, o agente da PSP foi absolvido.

    Notícia SIC

  • FBI despede agente que fez críticas a Trump

    Mundo

    Peter Strzok, um agente da política federal (FBI, na sigla em inglês), que o procurador especial Robert Mueller tinha removido da investigação à interferência russa pelas mensagens de correio eletrónico anti-Trump, foi despedido.