Mundo

Putin desvaloriza alegada interferência russa nas eleições dos EUA

Maxim Shemetov

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse hoje não estar "minimamente preocupado" com a possível interferência de cidadãos russos nas eleições presidenciais dos EUA em 2016.

"Por que razão decidiram que as autoridades russas, incluindo eu, deram permissão para tal coisa?", questionou o Presidente russo em entrevista à cadeia televisiva norte-americana NBC.

Putin não reagiu à acusação apresentada pelo procurador especial Robert Mueller, em fevereiro, que acusou 13 cidadãos e três empresas russas de interferir nas eleições dos EUA, desde o apoio a Donald Trump à "depreciação" de Hillary Clinton.

"Há 146 milhões de russos" e a ação isolada de alguns cidadãos "não representa os interesses do Estado russo", protestou o líder russo.

Sobre eventuais ataques de cidadãos russos à democracia norte-americana, Putin respondeu que não existem provas disso."Nós impusemos sanções contra os Estados Unidos? Os Estados Unidos impuseram-nos sanções", contestou, afirmando que na Rússia ninguém é julgado até que "tenha violado a lei".

"Alguém consegue acreditar que a Rússia, a milhares de quilómetros de distância, influenciou o resultado das eleições, isso não parece ridículo?", ironizou.

Os serviços secretos dos EUA já denunciaram a interferência russa na campanha eleitoral, mas Donald Trump rejeitou firmemente qualquer conluio com Moscovo.

Segundo a mesma fonte, continuam em marcha as tentativas russas de interferir na política dos EUA, o que pode constituir "uma ameaça" para as eleições parlamentares em novembro.

Lusa

  • Sporting vence Qarabag

    Liga Europa

    O Sporting estreou-se esta quinta-feira na fase de grupos da Liga Europa com uma vitória em Alvalade, sobre o Qarabag, por 2-0.

  • Marcelo despediu-se da "fascinante aventura" do ensino
    2:51