Mundo

Cura para a diabetes tipo 1 pode vir de Espanha

Beawiharta Beawiharta

O composto já está patenteado e é considerada a nova esperança de tratamento e, sobretudo, de cura para a diabetes tipo 1 que, geralmente aparece na infância e afeta mais de 21 milhões de pessoas em todo o mundo, cerca de um milhão só em Portugal.

Mario Anzuoni

Segundo o El País, foram precisos vários anos para desenvolver a molécula ou recetor molecular capaz de regenerar as células produtoras de insulina está a ser desenvolvida por uma equipa de investigadores espanhóis, com resultados comprovados em ratinhos e em culturas de células humanas. Daqui pode sair o primeiro medicamento capaz de reverter os sintomas e as causas da doença.

A diabetes tipo 1 é uma condição autoimune que destrói as células do pâncreas responsáveis pela produção, armazenamento e secreção da insulina. A insuficiência de insulina no organismo é o que obriga às injeções permanentes de insulina nos diabéticos.

Curar a diabetes exige, por isso, duas coisas: travar a destruição das células que causa da doença e produzir substituir as células que deixam de funcionar no pâncreas.

O novo composto químico conhecido por BL001 já está patenteado, enquanto continua a ser desenvolvido pela equipa multidisciplinar no Centro Andaluz de Biologia Molecular e Medicina Regenerativa (Cabimer), de Sevilha.

Os testes laboratoriais são encorajadores tanto com ratinhos como com células humanas de culturas do tecido do pâncreas, doadas por famílias de pessoas falecidas e os resultados já foram publicados pela Nature Communications.

Mas daqui até ter uma nova droga que cure a doença serão precisos vários e anos e milhões de euros.

A investigação recebeu financiamento público espanhola e apoios da associações de pais Juvenile Diabetes Research Foundation, de Nova York (EUA), e da DiabetesCERO, da Espanha.

Desenvolver um medicamento do laboratório até o paciente custa cerca de 20 milhões de euros. Nós já gastamos três milhões. Se você me der 17 milhões amanhã, daqui a alguns anos, se tudo der certo, já estaria no mercado” afirma Benoit Gauthier, o principal pesquisador do Cabimer ao diário espanhol El Pais.

Para além de tudo o que implica desenvolver uma nova droga, é preciso ainda definir a forma e as eficácias. A equipa está, neste momento, a tentar perceber os limites de toxicidade e de eficácia, para definir a composição e a forma da nova droga: se seria em comprimido ou numa injeção, à semelhança do que já acontece com as injeções de insulina. Os cientistas apontam para o objetivo mais ambicioso: encontrar a cura para a diabetes tipo 1 e não apenas mais um tratamento para uma doença crónica.

“As empresas farmacêuticas prefeririam uma pílula que os pacientes tivessem de tomar pelo resto da vida, mas o meu desejo é que se possa reeducar o sistema imunológico”, conclui Gauthier.

O diabetes tipo 1 ocorre em cerca de 5 a 10% dos pacientes com diabetes. Os portadores de diabetes tipo 1 necessitam injeções diárias de insulina para manterem a glicose no sangue em valores normais e há risco de vida se as doses de insulina não são dadas diariamente. O diabetes tipo 1, embora ocorra em qualquer idade, é mais comum ser diagnosticado em crianças, adolescentes ou adultos jovens.

  • Investigadores sugerem redução de 10 a 20% no preço dos medicamentos
    1:24
  • Descoberta arqueológica da década no Tejo
    2:03