Mundo

Três terroristas e três polícias mortos em confrontos noturnos no sudeste do Irão

Ebrahim Noroozi

Três terroristas e três agentes da polícia iranianos foram mortos em confrontos noturnos numa área do sudeste do Irão, na fronteira com o Paquistão, informou a agência oficial Irna.

"Às 1:30 da manhã de hoje (22:00 em Lisboa), um grupo de terroristas do Paquistão atacou" uma torre de vigilância da polícia na área de Mirjaveh, cidade fronteiriça a cerca de 75 km a sudeste de Zahedan, a capital da província do Sistão-Baluchistão, escreve Irna.

O ataque surgiu na sequência de violentos confrontos e "três terroristas", um policia e dois membros da Guarda Revolucionária, o exército de elite da República Islâmica, foram mortos, acrescenta a agência.

No passado, o Irão culpou o Paquistão por apoiar o grupo jihadista Jail al-Adl, acusado pelas autoridades de Teerão de estar ligado à Al Qaeda e realizar numerosas operações armadas no Sistão-Baluchistão.

Os confrontos armados entre as forças de segurança e vários grupos criminosos ou "terroristas" frequentes entre a maioria sunita da província de Baloch.

A população iraniana é 90% xiita e principalmente etnia persa (cerca de dois terços).

De 2005 a 2010, o Sistão-Baluchistão foi desestabilizado por uma rebelião liderada pelo grupo sunita Jundallah ("Soldados de Allah"), cujas atividades praticamente cessaram após a execução do seu líder, em 2010.

Lusa

  • Papa Francisco - entre a vulnerabilidade de um abalo e a oportunidade de uma reforma

    Papa e a tensão na Igreja

    Não é o tempo cronológico que define Francisco, mas o tempo da oportunidade, sem necessariamente sintonizar a ação com o tempo mediático. Esta circunstância pode dar um bom enquadramento de leitura para o «escândalo» dos abusos sexuais por parte de clérigos católicos. Mas o impacto mediático gerado pelo relatório da Pensilvânia e pela carta de um arcebispo a pedir a resignação do Papa, com a visita à Irlanda como pano de fundo, acabou por criar também uma oportunidade. Os próximos meses são por isso fulcrais para atenuar os danos e reconstruir laços de confiança nas instituições. Não há folga para oportunidades desperdiçadas. A pressão é elevada. A dimensão mediática não terá sido devidamente valorizada. Francisco ficou mais exposto às críticas e aos críticos.

    Joaquim Franco

  • Piloto que morreu no Estoril terá ficado sem travões
    1:17
  • Empresa de segurança sob suspeita na Guarda
    4:47
  • O embaraço do príncipe Harry
    0:29