Mundo

UE preocupada com crise económica que "afeta seriamente" a população da Venezuela

Handout .

A União Europeia (UE) manifestou-se esta quinta-feira preocupada com a crise económica que "afeta seriamente" a população da Venezuela, incluindo europeus que lá residem, e que resulta na imigração em massa, nomeadamente para o Brasil.

Segundo um comunicado do Serviço de Ação Externa, tutelado por Federica Mogherini, a UE vê com preocupação - e monitoriza em coordenação com a ONU e outras organizações internacionais - "o impacto social da crise económica que afeta seriamente a população, incluindo muitos cidadãos europeus residentes no país, e leva à atual migração em massa que está a levantar problemas às comunidades anfitriãs, particularmente na Colômbia e Brasil, e à estabilidade regional".

A UE reiterou o apoio às pessoas afetadas. Por outro lado, a UE considerou que "a recente decisão do Conselho Nacional Eleitoral de limitar a participação nas eleições locais e regionais aos partidos que apresentem candidatos às eleições presidenciais um duro golpe na credibilidade do processo".

Tal decisão, denuncia o Serviço de Ação Externa, "só irá exacerbar a polarização e criar mais obstáculos a uma solução pacífica".

O embaixador português em Caracas afirmou, na terça-feira, em Lisboa, que a comunidade portuguesa na Venezuela era "de classe média", mas agora vive "graves dificuldades", devido à crise económica naquele país..

"A grande maioria da nossa comunidade, em tempos, era classe média, e neste momento, devido à desvalorização da moeda, tem graves dificuldades", afirmou Carlos Sousa Amaro, embaixador em Caracas desde setembro passado, numa audição pelos deputados da comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas.

Face à crise migratória, o governo do estado brasileiro de Roraima entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal pedindo o encerramento temporário na fronteira com a Venezuela, devido à vaga migratória, e recursos adicionais para responder à chegada de refugiados.

Desde 2016, mais de 50 mil venezuelanos cruzaram a fronteira do Brasil com a Venezuela e muitos destas pessoas ocupam abrigos já existentes ou dormem em tendas.

Lusa

  • Protesto contra a falta de medicamentos na Venezuela
    1:51

    Mundo

    Dezenas de pessoas manifestaram-se junto ao Ministério da Saúde, em Caracas, contra a escassez de remédios, que ronda os 90%, e exigem respostas do Governo da Venezuela. A União Europeia também manifestou, esta quinta-feira, preocupação com a crise económica que "afeta seriamente" a população da Venezuela, incluindo europeus que lá residem.

  • Governo português analisa alargamento de sanções à Venezuela
    1:05

    País

    O Governo português pondera alargar as sanções aplicadas à Venezuela. Em Bruxelas, o Secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, disse estar disponível para discutir todas as opções que salvaguardem os cerca de 400 mil portugueses e lusodescendentes a viver na Venezuela.

  • Governo garante apoio à comunidade portuguesa na Venezuela
    2:48

    País

    O Governo garante que reforçou o apoio à comunidade portuguesa na Venezuela. Depois de o ex-secretário de Estado das comunidades José Cesário ter chamado a atenção, na quinta-feira, para a situação dramática de muitos emigrantes, o atual responsável, José Luís Carneiro garantiu ontem à noite que o Governo continua a implementar medidas para ajudar estes cidadãos.

  • Maduro recandidata-se às eleições antecipadas na Venezuela
    0:40

    Mundo

    O Presidente da Venezuela anunciou que vai recandidatar-se ao cargo nas eleições presidenciais antecipadas que deverão celebrar-se antes de maio. O anúncio foi feito durante um encontro com trabalhadores, transmitido pela televisão estatal. Nicolás Maduro já tinha dito que estava disposto a fazer tudo pelo Partido Socialista Unido e afirmou o desejo de conquistar 10 milhões de votos para cumpriri uma promessa feita ao anterior presidente, Hugo Chávez. Maduro Prometeu ainda a construção de cinco milhões de habitações e mais investimentos na economia, educação e obras públicas.

  • Venezuelano em chamas é a fotografia do ano

    Mundo

    O fotógrafo venezuelano Ronaldo Schemidt venceu esta quinta-feira o prémio de Fotografia do Ano de 2018 da World Press Photo, com a imagem de um manifestante em chamas durante os confrontos com as autoridades, num dos muitos protestos contra o Presidente Nicolás Maduro, na Venezuela.

  • "Isto é intolerável num comentador que deve ter isenção"
    3:52
  • Drone capta momento em que neozelandesa nada cercada por baleias assassinas
    2:10
  • "O nome do Sporting hoje já não é alvo de chacota"
    1:22