Mundo

Facebook traz finalmente o botão "Não Gosto" mas não da maneira que se pensava

Ueslei Marcelino

Depois de anos a ouvir-se falar sobre o botão "Não Gosto" no Facebook, a rede social decidiu avançar com a opção que vai permitir os utilizadores a expressarem o seu desagrado. Contudo, o "Não Gosto" só vai estar disponível em certas opções, como nos comentários.

Por enquanto, o botão só está disponível para os utilizadores da Nova Zelândia e da Austrália.

Segundo The Independent, o "Não Gosto" funciona como um voto negativo, indicado por uma seta, em vez de algo desaprovador como o polegar para baixo.

A plataforma britânica adianta que o Facebook estará apenas em fase de experimentação, mas com o tempo deverá chegar a todos os utilizadores da rede social.

O Facebook diz que o botão vai ser usado para votar negativamente em comentários abusivos ou desrespeitosos, o que depois vai permitir que não aparecem no topo da discussão.

A rede social anunciou o "Não Gosto" em 2015, mas desde então tem enfrentado dificuldades na maneira em que seria introduzido. Este pode ser o primeiro passo para que todos os utilizadores tenham a opção na aplicação.

Também em 2015, foi anunciado que o famoso botão "Gosto" ia deixar de estar sozinho para exprimir a reação a determinada publicação ou fotografia. Foram adicionados outros seis botões, com diferentes tipos de reações.

  • Calor vai continuar até ao final da semana
    1:18
  • Governo promete resposta firme à detenção de portugueses na Venezuela
    1:59
  • 7 M€ para projetos em prol da igualdade de género

    País

    O Governo lança hoje um programa de financiamento de projetos de conciliação e igualdade de género, no valor de sete milhões de euros, disponibilizados no âmbito do mecanismo financeiro do Espaço Económico Europeu EEA Grants 2014-2021.

  • Juiz nomeado por Trump diz que acusações de assédio sexual são "difamação" 
    1:23

    Mundo

    Há uma segunda acusação de assédio sexual contra o juíz nomeado por Donald Trump, para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos. Uma mulher, de 53 anos, acusa Brett Kavanaugh, de a ter assediado na década de 80 quando ambos frequentavam a universidade. Tal como já tinha acontecido com a acusação anterior, tanto o juíz quanto a Casa Branca negam as alegações e dizem que é uma campanha para difamar o homem escolhido pelo presidente Trump.