Mundo

Israel diz que pelo menos 24 dos 60 palestinianos mortos eram terroristas

Ibraheem Abu Mustafa

O exército israelita assegurou esta terça-feira, num comunicado, que "pelo menos 24 terroristas com antecedentes documentados" estão entre os 60 palestinianos que morreram na segunda-feira nos protestos na fronteira com a Faixa de Gaza.

"A maioria são membros ativos da organização terrorista Hamas e alguns são membros ativos da Jihad Islâmica", referiu o comunicado, acrescentando que hoje "aproximadamente 400 desordeiros foram detetados em sete pontos ao largo da Faixa de Gaza".

Os confrontos de segunda-feira fizeram também mais de 2.700 feridos.

O Ministério do Interior em Gaza, que controla o movimento islâmico Hamas, anunciou hoje que dez dos seus membros foram mortos na segunda-feira pelos disparos do exército israelita durante os protestos na fronteira que separa a Faixa de Gaza de Israel, publicando fotografias e nomes dos mortos.

Milhares de pessoas participaram hoje nos funerais de alguns dos 60 palestinianos mortos nas manifestações de segunda-feira em protesto contra a transferência da embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém.

Lojas, escolas, universidades e instituições estão hoje fechadas na Faixa de Gaza, assim como na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental como forma de luto pelos mortos de segunda-feira e para a assinalar a "Nakba" que consideram ter sido a criação de Israel em 1948 e o consequente êxodo de centenas de milhares de palestinianos.

Lusa

  • Calor vai continuar até ao final da semana
    1:18
  • Governo promete resposta firme à detenção de portugueses na Venezuela
    1:59
  • 7 M€ para projetos em prol da igualdade de género

    País

    O Governo lança hoje um programa de financiamento de projetos de conciliação e igualdade de género, no valor de sete milhões de euros, disponibilizados no âmbito do mecanismo financeiro do Espaço Económico Europeu EEA Grants 2014-2021.

  • Juiz nomeado por Trump diz que acusações de assédio sexual são "difamação" 
    1:23

    Mundo

    Há uma segunda acusação de assédio sexual contra o juíz nomeado por Donald Trump, para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos. Uma mulher, de 53 anos, acusa Brett Kavanaugh, de a ter assediado na década de 80 quando ambos frequentavam a universidade. Tal como já tinha acontecido com a acusação anterior, tanto o juíz quanto a Casa Branca negam as alegações e dizem que é uma campanha para difamar o homem escolhido pelo presidente Trump.