Mundo

Líder da oposição russa condenado a 30 dias de prisão por manifestação não autorizada

Tatyana Makeyeva / Reuters

O líder da oposição russa Alexei Navalny foi hoje condenado a 30 dias de prisão por ter convocado, no início do mês, uma manifestação não autorizada para contestar a investidura de Vladimir Putin para um quarto mandato presidencial.

Alexei Navalny "foi considerado culpado à luz do artigo 20.2 (relativo à organização de manifestações não autorizadas) e condenado a 30 dias de prisão administrativa", deliberou o juiz Dmitri Gordeïev, após uma audiência de cinco horas.

O opositor russo será ainda hoje julgado por "desobediência às forças policiais".
Alvo regular de processos judiciais, Navalny, de 41 anos, intensificou nos últimos meses os protestos contra o Kremlin (sede da Presidência russa), depois de ter sido impedido de se apresentar às eleições presidenciais do passado dia 18 de março por antecedentes penais, escrutínio que reelegeu Vladimir Putin com 76,67% dos votos.

Sob o lema "Ele não é o nosso czar", o opositor russo convocou no passado dia 05 de maio, a dois dias da investidura de Putin, uma jornada de protesto que levou milhares de pessoas às ruas em diversas cidades da Rússia.

Nesse dia, Navalny foi detido em Moscovo durante uma manifestação que degenerou em confrontos entre apoiantes da oposição russa e pessoas que entoavam frases pró-Kremlin.

A polícia dispersou a manifestação recorrendo ao uso da força.

O julgamento de hoje acontece oito dias depois de Putin ter sido empossado para um quarto mandato presidencial até 2024.

A última detenção de Navalny tinha ocorrido em finais de fevereiro, após uma manifestação também ela não autorizada realizada em janeiro último. Na altura, o opositor russo não foi sancionado.

Em outubro passado, Alexei Navalnyn foi condenado a 20 dias de prisão igualmente por ter apelado à participação de manifestações não autorizadas.

Lusa

  • Putin reeleito com 76,67% dos votos

    Mundo

    O Presidente russo, Vladimir Putin, foi reeleito para um quarto mandato com 76,67% dos votos, quando estava contabilizada quase todos os boletins (99,8%), nas eleições deste domingo, que contaram com uma participação de 67,4%, segundo a comissão eleitoral.