Mundo

Rafael Marques fala em "sinais de corrupção" do novo Presidente angolano

Jornalista angolano Rafael Marques.

Stringer .

O jornalista angolano Rafael Marques manifestou-se esta terça-feira "honrado" pelo prémio Herói Mundial da Liberdade de Imprensa, atribuído pelo Instituto Internacional da Imprensa (IPI), mas sobre a situação em Angola lamentou haver "sinais de corrupção" do novo Presidente.

"É de facto um grande reconhecimento, pelo qual me sinto muito honrado e vem num momento em que estou precisamente a ser julgado por dizer a verdade, por tentar contribuir para que sejam corrigidos os casos de corrupção e os atos ilícitos que ocorrem muitas das vezes ao nível da administração pública", disse à agência Lusa, que o contactou telefonicamente em Luanda a partir de Lisboa.

Para o também ativista dos direitos humanos, a situação em Angola, porém, caminha para um paradoxo, uma vez que os corruptos, disse, "são os que têm o poder de ter aqueles que se opõem à corrupção no banco dos réus".

"Há muitos casos de indivíduos com provas substanciais sobre o seu envolvimento em atos de corrupção que lesam o Estado em centenas, milhões de dólares e nem um deles está a ser julgado ou detido, só a arraia-miúda e o Rafael, que se opõe à corrupção", acentuou.

Questionado sobre os sucessivos sinais de combate à corrupção que o novo Presidente angolano, João Lourenço, deu como prioridade da governação, Rafael Marques respondeu com a ideia contrária, realçando que o sucessor de José Eduardo dos Santos na chefia do Estado angolano poderá estar a formar "uma nova elite de saqueadores".

"João Lourenço também tem estado a dar sinais de que está a formar uma nova elite de saqueadores. Recentemente, criou-se aqui um consórcio privado para a realização de voos domésticos que beneficiou de uma garantia soberana do Estado angolano, as famosas garantias soberanas, para a aquisição de seis aviões no Canadá", disse.

O consórcio, acrescentou, tem como sócios o irmão do Presidente angolano, Sequeira João Lourenço, também secretário-executivo da Casa de Segurança do Chefe de Estado e proprietário da empresa de aviação SJL, o ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente, Frederico Cardoso, dono da empresa Air 26, e o ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente, o general Pedro Sebastião, dono da empresa Mazewa.

"São as pessoas mais próximas que rodeiam o próprio Presidente que já estão a apoderar-se daquilo que é público e estão, basicamente, a manter o estatuto de principais dirigentes do país e principais homens de negócios. Esses indivíduos já tinham as suas empresas falidas e estão agora a receber oxigénio porque João Lourenço está no poder. Isto não é uma contradição, é uma falta de vergonha", acusou.

"[João Lourenço] está a dar sinais claros, agora, com estes últimos casos, que, em relação aos esquemas de corrupção, a única coisa que algumas pessoas muito próximas de José Eduardo dos Santos, como a filha [a empresária] Isabel [dos Santos] e [o general angolano Manuel Hélder Vieira Dias] Kopelipa, é levarem um pontapé, e os outros, que estão do lado de João Lourenço, têm toda a proteção", frisou.

Questionado pela Lusa sobre se, na sua opinião, tal poderá significar um passo atrás no combate à corrupção defendido por João Lourenço, Rafael Marques concordou e acrescentou que o país está a voltar "à estaca zero".

"Voltamos à estaca zero e continuamos a ter muito trabalho, porque, a esse nível, não mudou a retórica do discurso político. Antes pelo contrário, o país está parado", disse.

Utilizando o prémio que acabou de ganhar, e que será entregue a 22 de junho em Abuja (Nigéria), Rafael Marques referiu que a distinção "renova as esperanças" de muitos angolanos que acreditaram no combate à corrupção anunciado por João Lourenço.

"Pensaram que [João Lourenço] iria combater a corrupção, iria imprimir uma nova dinâmica na gestão do país e, passados oito meses, estão a ver que o país está parado, que a corrupção continua galopante, porque muitos dos que transitaram da administração de José Eduardo dos Santos e os novos que entraram continuam com as mesmas práticas. Pouco ou nada mudou", argumentou.

"[O prémio] para estas pessoas, é um pequeno conforto que haja um angolano que seja reconhecido por continuar a denunciar esse tipo de situações. Se é uma bofetada de luva branca ou não, penso que isto nada tem a ver com o Presidente, mas com o facto de colegas internacionais reconhecerem um elemento seu que está a lutar num país onde as condições são completamente adversas. Onde quem está em julgamento são os que se opõem à corrupção e não os corruptos", concluiu.

Lusa

  • Enfermeiros iniciam greve de dois dias 

    Economia

    Os sindicatos dos enfermeiros deram início, à meia noite, a dois dias de greve nacional que visa pressionar o Governo a apresentar uma contraproposta ao diploma da carreira de enfermagem.

  • Novos e-mails põem em causa valores da saída de Garay do Benfica
    2:44

    Desporto

    O pirata informático suspeito de ter desviado centenas de e-mails do Benfica revelou mais material, alegadamente comprometedor. Segundo uma mensagem alegadamente trocada entre Luís Filipe Vieira e Paulo Gonçalves, publicada esta quarta-feira na internet, o negócio da venda de Garay poderá ter sido feito por 13 milhões de euros e não por 6, como foi anunciado.

  • Saiba como escolher o melhor Plano Poupança Reforma
    8:32
  • Este pode ser um natal de sonho para os fãs de Harry Potter

    Mundo

    Os estúdios da Warner Brothers, em Londres, vão abrir as portas na época natalícia. Entre os dias 10 e 12 de dezembro o grande salão de Hogwarts servirá de cenário para um jantar que promete transportar os fãs de Harry Potter até ao imaginário de J.K. Rowling. Os bilhetes estão disponíveis a partir da próxima semana.

  • A imagem que está a emocionar a Índia

    Mundo

    A fotografia de um menino a despedir-se do pai, que morreu durante um acidente de trabalho, está a emocionar a Índia. Tanto que, num só dia, os internautas conseguiram angariar mais de três milhões de rupias (cerca de 36 mil euros) para ajudar a família.

    SIC

  • "Eu chupo e você?", a campanha contra as palhinhas que já dão multas no Brasil
    2:36

    Mundo

    A partir de hoje, o Rio de Janeiro vai multar até 340 euros todos os comerciantes que ofereçam palhinhas de plástico aos clientes. Em caso de reincidência, as multas podem ultrapassar os 1200 euros. Isto meses depois de ter sido lançada no país a campanha #paredechupar para eliminar os “canudos de plástico” que podem demorar mais de 400 anos a degradar-se. Só na União Europeia, são usadas 36,4 mil milhões de palhinhas todos os anos. Em todo o mundo, os números devem chegar aos mil milhões por dia.