Mundo

Guterres diz que Bachelet foi uma "figura formidável" no Chile e na ONU

Jorge Silva

O secretário-geral da ONU, António Guterres, salientou esta sexta-feira que a nova Alta-Comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, foi uma "figura formidável" tanto como Presidente do Chile como durante a sua primeira passagem pelas Nações Unidas.

Bachelet regressará à ONU a partir de 1 de setembro, após a sua nomeação para o cargo ter sido hoje oficialmente aprovada pelos 193 Estados com assento na Assembleia-Geral da organização.

Em declarações à imprensa, Guterres mostrou-se "encantado" pelo apoio dado pelos Estados membros à ex-Presidente chilena.

"Em casa, conheceu pontos altos e baixos: como primeira mulher a servir como Presidente do país, mas também como sobrevivente da brutalidade das autoridades que a atacaram a ela e à sua família há muitas décadas", recordou Guterres, referindo-se ao regime ditatorial chileno do general Augusto Pinochet (1973-1990).

O dirigente máximo da ONU destacou igualmente que Bachelet "foi também uma pioneira nas Nações Unidas", dando à ONU Mulheres um arranque "dinâmico e inspirador" como sua primeira diretora-executiva.

"Agora, assume um papel ao qual se adapta perfeitamente. Neste ano em que celebramos o 70.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, não me ocorre uma escolha melhor", sublinhou.

António Guterres observou que Michelle Bachelet assumirá o cargo num momento difícil para os direitos humanos, num contexto de aumento do ódio e da desigualdade, de retrocesso no respeito das normas internacionais e com a liberdade de imprensa sob ameaça.

"Para navegar por estas correntes, necessitamos de uma defensora inequívoca de todos os direitos humanos: civis, políticos, económicos, sociais e culturais", afirmou.

Para Guterres, essa figura é Bachelet, alguém que "viveu sob a escuridão de uma ditadura", que, como médica, conhece os desejos de saúde e outros direitos que a população tem e que está consciente das responsabilidades dos líderes nacionais e internacionais.

"Michelle Bachelet traz uma experiência única para as Nações Unidas e para todos nós e está firmemente empenhada em manter os direitos humanos na dianteira do trabalho da ONU", assegurou.

Lusa

  • Marine Le Pen de fora da Web Summit de Lisboa
    1:41
  • O meu corpo tem muitos anos
    27:49
  • 301 padres terão abusado de mais de 1.000 crianças nos EUA
    2:04

    Mundo

    Mais de 300 padres católicos do estado da Pensilvânia, nos EUA, são acusados do abuso sexual de mais de 1.000 crianças e jovens, ao longo de 70 anos. A acusação foi ontem divulgada, depois de dois anos de investigação às várias dioceses do estado.

  • Olhá Festa em Idães
    7:17