Mundo

Erdogan diz que queda da lira resulta de "conspiração política" contra a Turquia

TURKISH PRESIDENT PRESS OFFICE HANDOUT

O Presidente da Turquia considerou este domingo que a descida da lira turca resulta de "uma conspiração política" contra o país, que vai ripostar procurando "novos mercados e aliados", numa altura de crise nas relações com os Estados Unidos.

"O objetivo da operação é obter a rendição da Turquia em todos os domínios, das finanças à política. Enfrentamos de novo uma conspiração política secreta. Com a ajuda de Deus, vamos ultrapassar isto", declarou Recep Tayyip Erdogan, perante apoiantes reunidos em Trébizonde, no Mar Negro.

Se os Estados Unidos estão dispostos a sacrificar as suas relações com Ancara, a Turquia vai reagir procurando "novos mercados, novas parcerias e novos aliados", ameaçou.

"Só podemos dizer adeus a alguém que decide sacrificar a sua parceria estratégica e uma aliança de meio século com um país de 81 milhões de habitantes para salvaguardar as suas relações com grupos terroristas", insistiu.

A Turquia e os Estados Unidos são parceiros na NATO e os norte-americanos têm uma base importante em Incirlik, no sul do país, atualmente usada nas operações contra o grupo Daesh.

No entanto, nos últimos meses, Ancara tem vindo a criticar o apoio dos Estados Unidos na Síria às Unidades de Proteção do Povo Curdo, uma milícia que a Turquia vê como uma ameaça.

Por sua vez, os Estados Unidos exigem a libertação imediata do pastor norte-americano Andrew Brunson, detido na Turquia e acusado de "terrorismo" e "espionagem".

A Turquia responde pedindo a extradição de Fethullah Gülen, um opositor turco radicado há perto de 20 anos em território norte-americano.

No meio deste diferendo, a lira turca, em dificuldades há vários meses, registou uma queda muito acentuada face ao dólar na sexta-feira, após o Presidente norte-americano, Donald Trump, ter anunciado na rede social Twitter que vai duplicar as tarifas impostas às importações de aço e de alumínio provenientes da Turquia.

Lusa

  • Marine Le Pen de fora da Web Summit de Lisboa
    1:41

    País

    A organização do evento cancelou o convite à líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, para discursar na terceira edição que vai realizar-se em novembro em Lisboa. O convite insurgiu o Bloco de Esquerda e a Associação SOS Racismo e o presidente executivo da Web Summit, o irlandês Paddy Cosgrave Cosgrave começou por pedir ao governo português para retirar o convite. Hoje, o Ministério da Economia anunciou em comunicado que não tem intervenção na "seleção de oradores" do Web Summit e a Cosgrave acabou por anunciar hoje que o convite à líder da extrema-direita francesa foi retirado.

  • Onde está a ajuda às vítimas do fogo de Monchique? Autarquia apela à solidariedade
    1:56
  • "Ontem o Benfica esteve melhor, esteve bem"
    4:37

    Edição da Manhã

    Benfica segue em frente na Liga dos Campeões, depois de ter vencido o Fenerbahçe por 2-1 no conjunto das duas mãos. Os gregos do PAOK são o próximo adversário no Play Off de acesso à Champions, o comentário do jornalista Fernando Guerra.

  • "Graças à equipa consegui o meu primeiro golo"
    0:23
  • Turismo abranda e portugueses preferem passar férias no estrangeiro
    3:41

    Economia

    O turismo em Portugal está a abrandar. Em junho já se registaram menos dormidas do que nos meses anteriores. Ingleses, alemães, espanhóis e franceses vêm menos e passam menos tempo em Portugal. Também os portugueses estão a escolher destinos no estrangeiro, porque sai mais barato do que passar férias no Algarve.

  • Donald Trump acusa ex-assessora de ser "um cão"

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump aumentou esta terça-feira o tom do confronto com a antiga assessora Omarosa Manigault Newman, que chegou a ser a afro-americana com estatuto mais elevado na Casa Branca, designando-a como "esse cão!".