Mundo

Governo francês pretende taxar plástico não reciclado a partir de 2019

O Governo francês pretende começar a aplicar a partir de 2019 um imposto sobre os produtos de plástico que não tenham sido reciclados, com o objetivo de promover práticas mais amigas do meio ambiente.

"Amanhã, uma garrafa de plástico reciclada irá custar menos ao consumidor", revelou a secretária de Estado da Ecologia Brune Poirson, numa entrevista publicada hoje no Le Journal du Dimanche.

O consumidor será penalizado se eleger um produto não reciclado e poderá pagar até mais 10% caso opte por esta opção.Segundo Poirson, haverá uma etiqueta visível em todos os recipientes para indicar se o produto é proveniente ou não de fontes recicláveis.

A meta é mobilizar o consumidor para alternativas com menor impacto ecológico e aumentar a baixa percentagem de reciclagem de plásticos.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, prometeu durante a campanha eleitoral alcançar 100% de reciclagem de plástico até 2025 em França, contra os 25% praticados atualmente, de acordo com dados da revista 60 Millions de Consommateurs.

A difusão massiva nas redes sociais de imagens dos oceanos e da fauna marinha a sufocar sob os resíduos de plástico, e o lançamento de iniciativas como os "ataques ao plástico" - reuniões de consumidores que juntam as suas embalagens à saída dos supermercados - começam a gerar respostas políticas um pouco por todo o mundo.

Para o presidente da Federação Francesa de Embalagens Plásticas (Elipso), Emmanuel Guichard, é importante que as alternativas ao plástico existam.

"Para as garrafas, é uma escolha do consumidor que é possível. Mas não devemos esquecer os outros. Hoje há plástico que não é reciclado", frisou.

Por seu turno, Flora Berlingen, diretora da associação Zero Waste France, disse esperar que os fabricantes "façam o seu jogo para que os consumidores não sejam prejudicados".

Lusa

  • Marine Le Pen de fora da Web Summit de Lisboa
    1:41

    País

    A organização do evento cancelou o convite à líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, para discursar na terceira edição que vai realizar-se em novembro em Lisboa. O convite insurgiu o Bloco de Esquerda e a Associação SOS Racismo e o presidente executivo da Web Summit, o irlandês Paddy Cosgrave Cosgrave começou por pedir ao governo português para retirar o convite. Hoje, o Ministério da Economia anunciou em comunicado que não tem intervenção na "seleção de oradores" do Web Summit e a Cosgrave acabou por anunciar hoje que o convite à líder da extrema-direita francesa foi retirado.

  • Onde está a ajuda às vítimas do fogo de Monchique? Autarquia apela à solidariedade
    1:56
  • "Ontem o Benfica esteve melhor, esteve bem"
    4:37

    Edição da Manhã

    Benfica segue em frente na Liga dos Campeões, depois de ter vencido o Fenerbahçe por 2-1 no conjunto das duas mãos. Os gregos do PAOK são o próximo adversário no Play Off de acesso à Champions, o comentário do jornalista Fernando Guerra.

  • "Graças à equipa consegui o meu primeiro golo"
    0:23
  • Turismo abranda e portugueses preferem passar férias no estrangeiro
    3:41

    Economia

    O turismo em Portugal está a abrandar. Em junho já se registaram menos dormidas do que nos meses anteriores. Ingleses, alemães, espanhóis e franceses vêm menos e passam menos tempo em Portugal. Também os portugueses estão a escolher destinos no estrangeiro, porque sai mais barato do que passar férias no Algarve.

  • Donald Trump acusa ex-assessora de ser "um cão"

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump aumentou esta terça-feira o tom do confronto com a antiga assessora Omarosa Manigault Newman, que chegou a ser a afro-americana com estatuto mais elevado na Casa Branca, designando-a como "esse cão!".