Mundo

Novo balanço indica 39 civis mortos na Síria em explosão de depósito de armas

Uncredited

Pelo menos 39 civis, incluindo 12 crianças, morreram este domingo na explosão de um depósito de armas numa zona residencial da província de Idleb na Síria, de acordo com um novo balanço publicado por uma organização não-governamental.

As causas da explosão, que causou o colapso de dois prédios nesta província do noroeste da Síria, ainda não são conhecidas, indicou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

"O balanço aumentou com a descoberta de novas vítimas nos escombros", na localidade de Sarmada, precisou o OSDH.

Segundo o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane, o depósito estava situado num edifício residencial de Sarmada e pertencia a um traficante de armas que trabalhava para Hayat Tahrir al-Cham (HTS), um grupo 'jihadista' formado por uma ex-ramificação síria da Al-Qaida, que controla a maioria da província, acrescentou.

A maior parte das vítimas são familiares de combatentes do HTS, precisou Abdel Rahmane.

Segundo um membro dos Capacetes Brancos, os socorristas retiraram cinco sobreviventes dos escombros. Entre os mortos figuram mulheres e crianças, afirmou.

A província de Idleb é uma das últimas a escapar ao controlo do regime sírio, que recentemente afirmou que a conquista deste território era um dos seus objetivos e intensificou os ataques aéreos à região, com o apoio dos aliados russos.

Cerca de 60% da província está sob controlo do HTS e o resto está sob domínio de diferentes grupos rebeldes, havendo também a presença de células do grupo 'jihadista' Estado Islâmico.

O conflito na Síria começou em 2011 e tornou-se mais complexo ao longo dos anos, com o envolvimento de países estrangeiros e grupos 'jihadistas', num território cada vez mais fragmentado. A guerra já fez mais de 350 mil mortos e milhões de deslocados e refugiados.

Lusa

  • Marine Le Pen de fora da Web Summit de Lisboa
    1:41

    País

    A organização do evento cancelou o convite à líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, para discursar na terceira edição que vai realizar-se em novembro em Lisboa. O convite insurgiu o Bloco de Esquerda e a Associação SOS Racismo e o presidente executivo da Web Summit, o irlandês Paddy Cosgrave Cosgrave começou por pedir ao governo português para retirar o convite. Hoje, o Ministério da Economia anunciou em comunicado que não tem intervenção na "seleção de oradores" do Web Summit e a Cosgrave acabou por anunciar hoje que o convite à líder da extrema-direita francesa foi retirado.

  • Onde está a ajuda às vítimas do fogo de Monchique? Autarquia apela à solidariedade
    1:56
  • "Ontem o Benfica esteve melhor, esteve bem"
    4:37

    Edição da Manhã

    Benfica segue em frente na Liga dos Campeões, depois de ter vencido o Fenerbahçe por 2-1 no conjunto das duas mãos. Os gregos do PAOK são o próximo adversário no Play Off de acesso à Champions, o comentário do jornalista Fernando Guerra.

  • "Graças à equipa consegui o meu primeiro golo"
    0:23
  • Turismo abranda e portugueses preferem passar férias no estrangeiro
    3:41

    Economia

    O turismo em Portugal está a abrandar. Em junho já se registaram menos dormidas do que nos meses anteriores. Ingleses, alemães, espanhóis e franceses vêm menos e passam menos tempo em Portugal. Também os portugueses estão a escolher destinos no estrangeiro, porque sai mais barato do que passar férias no Algarve.

  • Donald Trump acusa ex-assessora de ser "um cão"

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump aumentou esta terça-feira o tom do confronto com a antiga assessora Omarosa Manigault Newman, que chegou a ser a afro-americana com estatuto mais elevado na Casa Branca, designando-a como "esse cão!".